Idgar Dias Júnior
Idgar Dias Júnior
Pensando bem

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, sábado, dia 22 de fevereiro de 2020, é celebrado o ‘Dia do Auxiliar de Serviços Gerais’.


Depois do triste episódio ocorrido em Sobral, redudo eleitoral dos irmãos Ciro e Cid Gomes, talvez seja interessante os brasileiros passarem a refletir acerca dos desdobramentos de eventos que tais. Como é sabido, Cid Gomes foi vítima de dois disparos de arma de fogo – não sem antes ter levado um soco no rosto. Coitado do Cid Gomes, não é?
Agora veja, caro leitor, que se observarmos bem, de uns tempos pra cá os ilustres advogados, digo, os ministros do STF - nem todos! - andam temerosos com a questão de tomar aviões (nota: no aeroporto de Brasília há uma sala de espera só pra eles).
De uns tempos pra cá políticos como José Guimarães (o ‘Homem Cueca’) e Lindbergh Farias, ambos do PT, são invariavelmente ‘ovacionados’ pelos locais por onde passam.
E agora parece que vão começar os tiros... As autoridades que se cuidem, pois nas redes sociais já há memes alusivos aos montes, um sem-número de piadas e gente dizendo (brincando, é claro) que torce muito para que os atiradores doravante tenham melhor pontaria e que o gesto se torne hábito diário, se espalhe pelo País e vire moda na vida pública brasileira. Já pensou?

Renovação parlamentar
O primeiro ano dos legisladores atuais cumpriu um ano em 2019. Antes das eleições de 2018, foi dito e repetido por muitos – como foi o caso deste signatário – que haveria grande renovação no Congresso. Esta renovação até aconteceu, mas ficou restrita às caras novas. Os hábitos continuam absolutamente os mesmos, haja vista o gasto com assessorias (de todos os tipos, sejam internas, sejam externas), as despesas com viagens e a pouquíssima ou nenhuma importância com as horas trabalhadas. Na capital federal o expediente das excelências parlamentares começa – no mais das vezes – nas tardes de terça e termina na quarta-feira.
No programa noticioso matinal da rádio Bandeirantes, o jornalista Claudio Humberto informou há dias uma facilidade pouco conhecida dos contribuintes que financiam o Congresso Nacional: o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deu de abrir os trabalhos no plenário a partir das 06h00 e seus colegas aprovaram a medida sem reclamar.
Aí, na quinta-feira de manhã bem cedo, as excelências marcam o ponto bem cedo e se mandam! Não é por outra razão que um parlamentar afirmou recentemente - em off, claro! - que ‘fora do Congresso o deputado Rodrigo Maia pode até não ter votos, mas lá dentro ele é imbatível’.
A verdadeira renovação política no Brasil vai COMEÇAR a acontecer tão logo se inicie um processo de reforma política que, dentre outras coisas, acabe com o Fundo Eleitoral e com o Fundo Partidário (sim, eleitor, existem dois fundos sustentados com dinheiro do contribuinte para financiar mordomias y otrascositas mas), além da forma de votação. Voto distrital já!

Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808

Calcanhar de Aquiles

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, sexta-feira, dia 21 de janeiro de 2020, é celebrado o ‘Dia Internacional da Língua Materna'.


“O que tem é um brasileiro, a quem chamaram de miliciano, de chefe do Escritório do Crime, de envolvido na morte de Marielle e de ser ligado à família Bolsonaro. Eu lhe afirmo e desafio a qualquer um no Brasil: todas as afirmações são falsas, mentirosas e levianas. O único objetivo dessa farsa é atingir a imagem da família Bolsonaro” (...)
“As forças ocultas do Rio quiseram fabricar esse personagem inexistente, um monstro, que seria o Adriano, para, em segundo momento, atrelá-lo ao Queiroz, para, em um terceiro momento, atrelá-lo ao Flávio Bolsonaro. E amarrar todos e vincular uma coisa à outra. Está claro que ele caiu numa cilada, um processo que é uma armação para incriminar um indivíduo. O que existe no Judiciário não é compatível com a quantidade de matérias que há na imprensa”.
Do advogado Frederick Wasssef, que tem como clientes o presidente Bolsonaro e seu filho e senador Flávio Bolsonaro, na Folha.
Comentário: é louvável o esforço do Dr. Wassef na defesa de seus clientes; mas daí a distorcer fatos é incorrer em narrativas tolas. Vamos combinar que, desde 2005, Adriano já era um ‘barra brava’ quando Bolsonaro pediu ao filho que o homenageasse na Alerj. Como nos lembra o comentarista e historiador Marco Antônio Villa, à época Adriano já era um assassino.

Calcanhar de Aquiles (2)
O exercício retórico do Dr. Wassef soa ridículo, uma piada tragicômica quando ele afirma que Adriano é um personagem fabricado. A explicação: a ligação mais que comprovada de Flávio Bolsonaro com o ‘capitão’ Adriano – que teve a ex-mulher e a mãe lotadas no gabinete do então deputado estadual na Alerj, coisa que Fabrício Queiroz até hoje não explicou direito.

Calcanhar de Aquiles (3)
“Segundo a lenda grega, Aquiles, filho do rei Peleu e da deusa Tétis, tornou-se invulnerável quando, ao nascer, foi banhado pela mãe nas águas do rio Estige. Apenas o calcanhar por onde Tétis o segurou não foi molhado e continuou vulnerável”.
Comentário: é claro que Adriano de Nóbrega e Fabrício Queiroz representam o ‘calcanhar de Aquiles’ do presidente Bolsonaro – de outro jeito ele não estaria tão preocupado com a morte do miliciano, a ponto de levar seu cadáver para dentro do Palácio do Planalto.
Talvez a morte do ‘capitão’ Adriano acabe por desencadear o que os Bolsonaro parecem querer evitar a qualquer preço; e embora o miliciano não possa mais falar, há ainda a incômoda e por ora silenciosa presença de Fabrício Queiroz, que tudo sabe, que tudo viu.

Mãe Dinah
O eterno presidenciável Ciro Gomes e o historiador Marco Antônio Villa já vaticinaram que o presidente Jair Bolsonaro não concluirá seu mandato. A ambos se juntou a jornalista Dora Kramer, da Veja. Está ficando a cada dia mais evidente que Bolsonaro está dobrando a aposta na polarização. E para 2020 as negociações com o Congresso Nacional deverão ser ainda mais tensas que em 2019: é a tempestade perfeita em formação.

Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808

Voo de galinha

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, quinta-feira, dia 20 de fevereiro de 2020, é celebrado o ‘Dia Mundial da Justiça Social’.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas, a nossa economia cresceu 1,2% em 2019. E em março o IBGE vai dar o registro oficial, que não deve ser muito diferente disto.
E para 2020? Alguns ‘especialistas’, que diziam em 2018 que o PIB brasileiro seria de 2,2% em 2019, agora dizem que este ano o crescimento deve ser de 2,5%. Duvide, leitor.
Há 65 milhões de brasileiros com o nome sujo (leia-se, inadimplentes), há mais de 5 mil empresas com dívidas que somam 1,3 trilhão de reais, os governos federal, estaduais e municipais estão quebrados e sua capacidade de investimento, claro, é nula! Só as previdências dos estados estão com um rombo de mais de R$ 100 bilhões (isto mesmo, leitor: cem bilhões de reais!).
Aí alguém vai dizer que os juros Selic baixaram a 4,25% ao ano e que a inflação está sob controle. E é verdade. Como também é verdade que a Bolsa de Valores está bombando (sim, mas com o dinheiro de brasileiros. Os estrangeiros estão tirando seu dinheiro de ganho fácil na Bolsa brasileira. Para nós não é mais negócio investir na poupança por causa da Selic tão baixa, que quase perde pra inflação).
Às boas notícias da Selic baixíssima (menor valor histórico) e inflação controlada devemos acrescentar a da reforma da Previdência e a expectativa quanto a outras duas reformas muito necessárias para que o Brasil deslanche: as reformas Tributária e Administrativa. Mas, infelizmente, seus frutos vão surtir os efeitos que tanto esperamos depois de muitos anos, donde a impossibilidade de o País ter aumento do PIB que seja substancial.
Há outro problema: crescimento implica maior demanda por energia e nisto também estamos mal das pernas. O Brasil não suportaria, com a atual potência instalada, crescer a 4,5% por muitos anos sem o investimento que isso implica. A esta taxa de crescimento haveriam apagões toda semana. Percebe o tamanho da encrenca, leitor?
Por último, mas não menos importante: não devemos confundir os juros Selic com os juros cobrados a partir da utilização do cartão de crédito (rotativo), do limite do cheque especial, nem empréstimos que os bancos e demais instituições financeiras concedem, certo?
Diferentemente da taxa Selic, juros dos empréstimos pessoais, do cartão de crédito e cheque especial, por exemplo, são calculados levando-se em conta a taxa de inadimplência do mercado em geral, a alta concentração bancária (os cinco maiores bancos – Caixa, Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander controlam praticamente 85% do mercado) e a insegurança jurídica no Brasil (tem gente que não paga o que deve de jeito nenhum) – dentre outros fatores.
Como se pode ver, há muita coisa a ser feita no Brasil. Mas não se deve esperar um País maravilhoso e com o qual sonhamos para já. Isso levará décadas, estejamos certos.
Nada de desanimar, ok? Em que pese toda a verborragia desnecessária e grosseira do governo atual, o Brasil retomou o rumo certo.

Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808

Já é Carnaval em Brasília

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, quarta-feira, dia 19 de fevereiro de 2020, é celebrado o ‘Dia do Esportista’.


Nosso Congresso Nacional, sempre atuante quando a questão é legislar em causa própria, acaba de aprovar o limite de idade dos beneficiários de planos de saúde pagos pela Casa aos dependentes de nossos bravos, ilibados e brilhantes parlamentares.
Agora os filhos, os pais, os cônjuges, enteados, etc., etc. e etc. de nossas excelências terão as suas despesas médicas –TODAS!– reembolsadas até que cumpram 33 anos de idade (pergunta que não quer calar: este número teria alguma coisa a ver com a idade de Cristo ou é em razão de alguma conta matemática pertinente?).

Já é Carnaval em Brasília (2)
A ideia brotou na Câmara Federal e seu presidente, numa daquelas votações madrugada adentro que discutem discussões importantíssimas (como a Lei de Abuso de Autoridade, por exemplo), aproveita o momento de tumulto e põe a matéria em votação. E é claro que a aprovação é certa.
Além de ser um sujeito tremendamente vaselina, Rodrigo Maia (DEM-RJ) é como assombração, que sabe bem onde e para quem vai aparecer.

Já é Carnaval em Brasília (3)
Agora, leitor, vamos nos esforçar ainda mais: além das lagostas, vinhos, segurança privada, tabela do imposto de renda defasada em mais de 100%, jatinhos da FAB pra lá e pra cá ‘y otrascositas mas’, a gente tem ainda o plano de saúde – sem limites! – das excelências e de seus agregados pra pagar, até que esses agregados, coitadinhos, cumpram os 33 anos de idade.
Vamos combinar: em Brasília é Carnaval o ano inteiro! E você paga.
O signatário não dirá mais que o País está no século 19. Pois, na verdade, o Brasil ainda está mesmo é na Idade Média.

Em 2020, não reeleja ninguém!
Aconteceu! Eduardo Bolsonaro – o deputado federal mais bem votado da história da política brasileira – apareceu em São Paulo, o estado pelo qual ele se elegeu (não parece; ele não mora em São Paulo e vive em Brasília) com 1.843.735 votos.
Eduardo participou da cerimônia de entrega de ônibus escolares nas zonas ruais do estado de São Paulo ao lado do ministro da Educação, Abraham Weintraub – o ministro do tripé sem noção formado ainda por Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) e Ricardo Salles (Meio Ambiente). Curiosamente, quando das enchentes que recentemente fizeram a capital e algumas cidades do interior parar (Botucatu, por exemplo, decretou calamidade pública), ‘Dudu Surfistinha’ não deu o ar da graça. Mas, claro, em 2022 vai ser diferente.

Em 2020, não reeleja ninguém! (2)
A performance de Eduardo é exemplar quanto ao que não se deve fazer como representante do povo no Congresso. O fato dele ter tentado (e graças à Deus não ter conseguido) a indicação para a embaixada nos EUA mostra seu desprezo por aqueles que o elegeram. E, como ele, a maioria dos parlamentares age absolutamente da mesmíssima forma. Dudu é da vitrine do mau exemplo.

Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808

O Brasil e o feudalismo

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, terça-feira, dia 18 de fevereiro de 2020, é celebrado o ‘Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo’.


O engenheiro, administrador com MBA pela Universidade de Columbia, em Nova York, e diretor do Instituto Mises Hélio Coutinho Beltrão (52 anos) deu entrevista à revista digital Crusoé.
A certa altura, Beltrão foi perguntado: “Além dos interesses corporativos, o que mais está sabotando o [ministro] Paulo Guedes?
- Acho que a máquina sabota. São pessoas que estão lá, são concursadas. Em tese, estão defendendo o interesse do Brasil, mas têm obsessão pelo controle, um apego a procedimentos e defendem perigos que só existem na cabeça deles. São sabotadores do avanço. Veja o que aconteceu com o Apple Watch. O último modelo consegue fazer um eletrocardiograma de um ponto só. A ANVISA falou que de jeito nenhum. Considerou que era um aparelho de saúde e que teria de ser regulado por ela. Então a Apple não pode vender Apple Watch no Brasil com essa função habilitada. Além disso, a ANVISA se deu conta de que o safado do brasileiro poderia comprar lá fora e trazer pra cá e, então, pediu para a Apple instalar uma função de geolocalização para impedir que essa função estivesse disponível. Não tem nada disso na lei brasileira. Foi uma regulamentação da ANVISA, que um burocrata de lá fez”.
Comentário: o leitor certamente já ouviu ou leu algo a respeito do feudalismo, certo? A palavra tem a ver com feudo, claro, que seria – na Idade Média, quando o feudalismo existiu – uma porção de terra que era dada pelo rei aos senhores feudais. A Idade Média terminou em 1453, alguns anos antes do nosso descobrimento, em 1500.
Fala-se aqui a respeito do feudalismo em razão da ANVISA – assim como suas congêneres – serem a mais perfeita constatação de que essas autarquias funcionam como feudos. O burocrata aludido acima age, em pleno Século XXI, como se estivesse vivendo ainda no Século XV ou XVI. E para espanto geral da nação, nada acontece!

Fala que eu te escuto
“A empregada doméstica, no governo Lula, viajou para o mundo todo e visitou o Brasil. E com todo o direito e dignidade. O que ele [o ministro da Economia Paulo Guedes] pensa? Só ele pode ir para a Disney? Este é um governo que está caminhando cada vez mais para o autoritarismo. Um ministro como o Paulo Guedes, que lida com os recursos do Brasil, com os recursos públicos, com a economia, não ter nunca uma palavra que olhe para o mais pobre, para o que mais precisa, para os miseráveis deste país, é realmente um atraso de vida. Assim não dá”.
Da eterna Marta Suplicy, sutilmente se dirigindo a Lula, que ainda é o dono do PT, para quem sabe assim descolar uma vaga na chapa petista (provavelmente com Fernando Haddad) que irá disputar a prefeitura de São Paulo nas eleições de 2020.
Comentário: o ministro Paulo Guedes vai levar todo o ano de 2020 para, talvez, conseguir se reerguer do baque politicamente incorreto sofrido com a bobagem dita a respeito das empregadas domésticas.

Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808

O MAIOR LADRÃO DO BRASIL E A CÚPULA DO PODER JUDICIÁRIO 

Prezados leitores,
Em 2018, o STF passou a permitir que Delegados de Polícia pudessem fechar acordos de colaboração premiada, independentemente da concordância dos membros do Ministério Público envolvidos nas mesmas investigações.
Assim, a partir da interpretação generosa dada à Lei nº 12.850/13 (Lei de Combate ao Crime Organizado), políticos encrencadíssimos (como o ex-Ministro Antônio Palocci e o ex-publicitário Marcos Valério, o carequinha do "Mensalão") passaram a buscar junto aos Delegados de Polícia Federal - muito menos exigentes que Procuradores da República - a oportunidade de fechar acordos de colaboração que lhes reduzisse o tempo de cadeia a cumprir.
Nessa nova onda de delações, fechadas à revelia do Ministério Público Federal, situa-se SÉRGIO CABRAL, o outrora todo-poderoso Governador do Rio de Janeiro, Estado que comandou entre 2007 e 2014. 
Nos inesquecíveis anos lulistas, CABRAL conseguiu diversas proezas, dentre elas: elegeu o então Vice-Governador, Luiz Fernando Pezão, "O Débil", como seu "sucessor-fantoche"; deixou falido o 2º Estado mais rico da Nação; apoderou-se de MAIS DE UM BILHÃO de reais em esquemas de desvios ainda não desbaratados.
SÉRGIO CABRAL encontra-se atualmente preso (ironicamente, em penitenciária carioca que mandou construir) e acumula, até agora, 13 condenações pela Justiça Federal Fluminense (Operação Lava-Jato no Rio de Janeiro). A princípio, terá de cumprir mais de 280 ANOS DE RECLUSÃO... 

Ou será que não?
Contra a vontade do MPF, que o considera o "topo" da cadeia criminosa desmontada no RJ, CABRAL conseguiu, há alguns dias, fechar de colaboração premiada diretamente com a Polícia Federal. 
Tal acordo, que já se encontra inclusive homologado pelo Ministro Edson Facchin (Relator da Lava-Jato no STF) lança ao fogo nada menos que DOIS Ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins e Napoleão Nunes Maia, e TRÊS Ministros do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas, Vital do Rêgo e Aroldo Cedraz.
Quanto a esse último, seu filho, o Advogado Tiago Cedraz já consta envolvidíssimo na "Operação Zelotes" que, há alguns anos, desbaratou os mais deslavados esquemas de corrupção no CARF, uma espécie de "última instância" da Receita Federal, com sede em Brasília...
As delações de CABRAL miraram, ainda, a PRÓPRIA ESPOSA, a poderosíssima Advogada Adriana Anselmo, além de vários FILHOS DE MINISTROS,  pertencentes às Altas Cortes do Poder Judiciário Brasileiro (STJ e TSE), os quais vêm a ser donos dos Escritórios de Advocacia mais poderosos e influentes de Brasília (os mesmos que sempre ouvi dizer "trazerem a liminar amada" em 3 dias...).
E o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, como se coloca diante de tudo isso?
Bem... tem passado dos dias  tentando, junto ao Plenário do STF (vejam só!)  ANULAR  o acordo de colaboração fechado com SÉRGIO CABRAL, dando mostras de que certos personagens da República - no caso, Ministros de Tribunais Superiores - devem ser protegidos a qualquer custo.
Engana-se quem pensa que a coisa vai parar por aí...
 

Obsolescência programada

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, sábado, dia 25 de janeiro de 2020, é celebrado o 'Dia da Criação dos Correios no Brasil';
- Também hoje se comemoram o 'Dia do Carteiro' e o 'Dia da Fundação de São Paulo' (1554).
- Completa-se hoje um ano do acidente em Brumadinho-MG que matou 270 pessoas; onze delas ainda continuam desaparecidas.

Obsolescência programada
O BNDES precisa ser fechado. O governo passado contratou uma auditoria por R$ 48 milhões por um exame que comprovasse qualquer irregularidade; o trabalho durou 22 meses e não se encontrou nada.
Acontece que o BNDES não foi e não pode ser considerado responsável direto pelos financiamentos, por exemplo, feitos em Cuba e Angola. Na verdade o BNDES foi instrumentalizado para pagar pelos serviços exportados e realizados pela construtora Odebrecht.

Obsolescência programada (2)
A auditoria no BNDES jamais encontraria vestígios do caminho do dinheiro que a Odebrecht tinha para pagar propina pelas obras fora do Brasil. Essas obras foram fruto, em muitas das vezes, de tráfico de influência e todos sabemos quem foi o maior protagonista deste tipo de expediente.
Os possíveis desvios no BNDES não são o que de mais ruim poderia ter acontecido. Pior que tudo isto é o fato de que o dinheiro do banco é tirado de gente pobre, que toma ônibus todo dia, que não tem serviço de saúde decente, não tem segurança pública que preste, não tem educação de qualidade e nem voz para reclamar. E quando esse dinheiro investido volta com lucro, ele absolutamente não vai de volta para o bolso de quem o gerou; ele serve para realimentar um sistema ao qual só tem acesso quem for amigo do rei.

Obsolescência programada (3)
Está na internet: 'o principal objetivo do BNDES é o financiamento de longo prazo e investimento em todos os segmentos da economia brasileira' (Wikipedia). Bobagem. O jornal 'Valor Econômico' em 2018 (há mais de ano!) também informou que entre 42 países pesquisados o investimento público no Brasil é o segundo mais baixo!
Fundado em 1952, o BNDES tem cerca de 2 mil funcionários; como a maioria das estatais, sua função e sentido se resumiriam a dar emprego a privilegiados e emprestar dinheiro do contribuinte a juros camaradas para quem não precisa.

Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808
Sorte e saúde sempre!

Um último detalhe

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, sexta-feira, dia 24 de janeiro de 2020, é celebrado o 'Dia Nacional dos Aposentados';
- Também hoje é comemorado o 'Dia da Previdência Social'.


Correndo o enorme risco de ser taxado de monotemático, volto a abordar a questão da Previdência no Brasil, ou melhor, a nossa relação com ela.
Anunciamos aqui na quarta-feira, 22, que ela vai acabar porque seu sistema é insustentável no longo prazo e a capitalização será a saída. E há quem diga que quem vai fazer o serviço serão os bancos. Nesse tipo de previdência, é criada uma conta à qual os tecnocratas, ministros e demais 'especialistas' do governo de turno NÃO poderão ter acesso aos saldos, às contas, ao dinheiro enfim, como foi até aqui (sim, leitor: muitos ministros da Fazenda brasileiros do passado não hesitaram em usar o dinheiro da Previdência para cobrir déficits do governo central). É por isso que há gente dizendo que a Previdência não é deficitária.
Assim, cada brasileiro terá uma conta só sua e seu dinheiro aportado será corrigido no decorrer de sua vida profissional até chegar a hora da aposentadoria e não usado para pagar aposentadoria dos mais velhos.
Detalhe: na hora de você decidir pela capitalização, poderá definir também o quanto pretende receber na época em que for se aposentar. Enquanto a capitalização não chega, são estas as informações que correm. O signatário tem algumas dúvidas: 1. Quem sustentará os aposentados do INSS que não fizeram capitalização ou estão em vias de se aposentar?; e 2. Quem não tem carteira assinada, mas tem dinheiro para fazer a sua capitalização poderá fazê-lo?
Poucas certezas devem permear a implantação da capitalização. Para sua segurança e a segurança dos seus, não confie nos bancos, não confie no governo e nem nas boas intenções de quem aparecer para lhe oferecer o melhor plano do mundo: se o governo, se os bancos e demais instituições podem fazer a capitalização do grande público, você também pode fazer a sua própria.
Não se está aqui aconselhando as pessoas a evitarem a capitalização. Ao contrário. Na verdade, o que se está querendo aqui é encorajar as pessoas a aceitar a mudança na Previdência para a capitalização participando do processo que, mais ano, menos ano, vai acontecer - mas assegurando uma alternativa própria, um plano B: faça você mesmo um plano de capitalização só seu.
Foi e é isto o que todos os presidentes da República fizeram; é isto o que todos os congressistas (deputados federais e estaduais, senadores e servidores), todos os governadores fizeram e vão continuar a fazer. Porque também eles não acreditam nos governos; nem nos próprios.

E viva a corrupção!
Na campanha de 2018, o candidato Jair Bolsonaro colocou em sua plataforma o combate à corrupção como uma de suas metas.
Passado um ano de gestão, a ONG Transparência Internacional acaba de informar que o País repetiu a nota de 35 pontos (de 2018) e caiu uma posição no ranking IPC - Índice de Percepção da Corrupção. Estamos na posição 106 dentre 180 países.
Vamos combinar que quem faz acordo com Dias Toffoli não está preocupado com corrupção, está?


Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808
Sorte e saúde sempre!

 

A propósito

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, quinta-feira, 23 de janeiro de 2020, é celebrado o 'Dia Internacional da Medicina Integrativa';
- Também hoje se comemora o 'Dia Mundial da Liberdade'.

O ministério Bolsonaro e seus ministros
De modo a relembrar nossos leitores, listamos abaixo a relação dos ministérios e seus respectivos titulares. As pessoas listadas, portanto, compõe o alto escalão da administração pública federal:


A propósito
Como se pode ver, são 22 ministérios. Alguns -como as secretarias e órgãos com status de ministério- funcionam como linha auxiliar da Presidência, como a Controladoria-Geral da União. Os ministérios que fazem acontecer, por assim dizer, seriam os 15 restantes - portanto.
Passado um ano, o que dá para concluir é que menos da metade deles mostrou a que veio. Impossível entender a razão da existência de um ministério do Turismo; quase imperceptível alguma ação vinda do ministério da Saúde, do ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (belo nome!) ou do ministério do Desenvolvimento Regional.
Há os folclóricos: Relações Exteriores, Meio Ambiente e da Mulher, Família e Direitos Humanos: fazem pouquíssimo em termos de realizações, mas muito barulho e piadas na mídia.
Por falar nisto: há o ministro da Educação, Abraham Weintraub, um sujeito 'imprecionante'...
Para além da discrição nos ministérios da Cidadania, Defesa e Minas e Energia, há Sergio Moro, Paulo Guedes, Tarcísio de Freitas e Tereza Cristina que fazem um trabalho excelente, que contrasta muito com os demais.
Este contraste pode ser vantajoso para o presidente: há espaço de sobra para uma provável reforma de seu ministério. Que o diga o ministro Onyx Lorenzoni, né?

Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808
 Sorte e saúde sempre!


 

Curiosidade

Olá! Bom dia, leitor!
- Hoje, terça-feira, dia 21 de janeiro de 2020, é celebrado o ‘Dia Mundial da Religião’.


Nesta data, em 1954 (há 66 anos, portanto), foi lançado ao mar o primeiro submarino de energia nuclear, o USS Nautilus, em Groton (Connecticut) tendo como protagonista a Primeira-dama dos EUA, Mamie Eisenhower.
Uma outra curiosidade: os Estados Unidos se tornaram independentes em 1776 e o Brasil em 1822. A diferença entre as datas é de aproximadamente 46 anos.
Passados 66 anos desde que os americanos colocaram em funcionamento o seu submarino nuclear, o Brasil engatinha na área para conseguir realizar o mesmo feito. É provável que nem em 20 anos nosso País consiga. E se considerarmos o ano de 1822 como ‘marco zero’ para fazermos uma comparação de desempenho entre ambas nações, chegaremos à triste conclusão de que aqueles 46 anos hoje em dia já podem ser medidos em séculos. O Brasil ficou para trás mesmo.

A sua previdência
No último final de semana o jornal O Estado de São Paulo estampou uma reportagem na qual ficamos sabendo que a ‘Câmara dos Deputados e o Senado pagam pensões mensais de até R$ 35 mil a filhas solteiras de ex-parlamentares e ex-servidores. O benefício, criado na época de JK, atende até hoje 194 mulheres e custa, por ano, R$ 30 milhões’.
Segundo a reportagem, ‘a filósofa Helena Hirata, que mora em Paris há quase meio século, é uma das 194 mulheres que recebem pensão por ser filha solteira de ex-parlamentar. Ela é filha do ex-deputado federal João Sussumu Hirata e recebe o benefício há 46 anos. Ela afirmou que aceita R$ 16,8 mensais por ter sido orientada por seu advogado’.

A sua previdência (2)
Segundo o site ‘O Antagonista’, o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse que “gostaria da revisão do entendimento do STF sobre o benefício pago pelo Congresso a filhas solteiras de ex-parlamentares: ‘Depois da interpretação do Tribunal de Contas da União, o STF deu infelizmente decisão garantindo o direito adquirido’”.
Comentário: Rodrigo Maia é sempre evasivo em situações que tais. É sempre a voz do sujeito vaselina, que discorda, é claro, de tudo o que está errado, mas é terminantemente contra qualquer tomada de decisão no sentido de reparação daquilo que julga errado.
Ser vaselina, evasivo e ter sempre uma resposta pronta para sair pela tangente em situações de saia justa é pré-requisito para certas presidências, não é? É.

A sua previdência (3)
Em 2019 o Brasil conseguiu finalmente fazer uma reforma meia sola na Previdência, certo? E por que meia sola? Porque daqui a cinco anos, daqui a dez anos e daqui a 15 anos teremos outras reformas e elas também serão meia sola, posto que acabar com privilégios não tem muito a ver com a índole de nossa gente e, portanto, só acabam à medida que os privilegiados vão morrendo e levam para os seus túmulos os mimos que só o andar de cima de nossa sociedade é digno de receber em vida.

Contato: [email protected]
WhatsApp: [45] 9.9950-3808