O candidato ao Senado Nelton Friedrich fala de propostas para o país

Aumenta o número de cadastrados na dívida ativa em Foz do Iguaçu
6 de setembro de 2018
6 de setembro de 2018

O candidato ao Senado Nelton Friedrich fala de propostas para o país

O candidato ao Senado pelo PDT, Nelton Friedrich, prega o desenvolvimento de tecnologias de vanguarda no país, inovações capazes de revolucionar o setor produtivo, priorização das políticas externas e o interesse nacional

Nelton Friedrich foi deputado constituinte, secretário do Interior, idealizador e criador do maior programa socioambiental do país, o Cultivando Água Boa, da Itaipu. Nessa quarta, ele visitou o Gazeta Diário e coube a mim a honra de entrevistar essa que eu considero uma das melhores cabeças pensantes do nosso país.
Antes de ligar o gravador, perguntei por que ele queria ser um dos senadores do Paraná. Ele respondeu: “Eu quero propor que o Paraná tenha uma agenda de interesse comum, da sociedade civil, do empresariado e dos governos. Em vez de brigas, o diálogo franco e aberto. Eleger os eixos estratégicos e todos remar na mesma direção, de forma que os interesses da sociedade ultrapassem governos, mandatos e que sejam perenes para que possamos reconstruir a nossa história”. Veja os principais trechos da entrevista.
Você tem dito que o Brasil virou um balcão de negócios. O nosso estado segue o mesmo caminho?
Um país que aprova R$ 1 trilhão em incentivos para as multinacionais do petróleo e que congela os investimentos na Educação, Saúde e Segurança não tem um projeto, é um escândalo. Quanto ao Palácio Iguaçu, ele virou um oficial de justiça, tantas são as denúncias, processos, irregularidades e acusações. Mas é, sobretudo, um estado que carece de um projeto a médio e longo prazos. Tudo é feito às pressas, e isso vai ao encontro dos interesses de grupos políticos, econômicos e familiares. O Paraná está perdendo o bonde da história por não apoiar e incentivar a produção de energias renováveis, além da hidroelétrica. Minas fez um projeto que é exemplo, enquanto o Paraná fica de braços cruzados. Nosso estado tem uma das mais altas taxas de insolação, com possibilidade de aproveitar a energia solar, estimulando a autogeração em cada casa, reduzindo os gastos mensais e os custos de produção. O Paraná é maior produtor de leite, de aves e de suínos e poderia aproveitar muito bem a biomassa residual, o biogás e o biometano.

Veja a entrevista completa no jornal impresso do Gazeta Diário

(Adelino de Souza Freelancer)

Share

GDIA