Troca de secretários

Opinião
8 de fevereiro de 2018
Brasil do futuro
8 de fevereiro de 2018

Troca de secretários

O assunto causou um furdunço nos meios políticos, porque troca de funções públicas sugere pressão dos partidos. Toda vez que um prefeito anuncia reformas administrativas, espalha-se um surto de coceiras pelos cargos.

Quem sai
Sairão os que não desempenharam; sem direito a choro nem vela. Há também os que causaram desgastes à imagem institucional do governo; e como não poderia deixar de existir um ou outro preguiçoso na equipe, é certo que Chico aproveitará o momento. Reforma é assim mesmo, o prefeito não quer queimar o filme com o contribuinte e passa o facão sem dó.

Conversa franca
Contaram para este Corvo que o prefeito Chico teve uma longa conversa com cada um dos secretários e diretores, antes de assegurar suas posses. Todos sabiam que haveria reforma no início do ano. Essas adaptações são necessárias para um desempenho mais produtivo da equipe.

Reclamações
Este Corvo ouviu atentamente as entrevistas e o depoimento de empresários e líderes setoriais. Eles esboçaram preocupações sobre questões latentes, e é normal que isso espirre nos responsáveis pelas pastas mencionadas. Mas a opinião de terceiros pode não influenciar na decisão do prefeito, porque ele conhece cada complexidade.

Morde e assopra
Se bem que os depoimentos dos empresários foi um show de morde, assopra, dedo no olho, carinho, afago, chute e depois sentada no colo. Não pediram a cabeça de ninguém, somente acusaram as falhas e pontos fracos da administração.

Problemas
Devemos levar em conta que ser secretário não é o mesmo que “santo milagreiro”. Quem ocupou ou ocupa cargo no atual governo caminha pelo mesmo campo minado em que está o prefeito. Toda a máquina pública estava engessada (ainda está em partes) em decorrência do desastre causado pelo antecessor. Foz ainda vai levar muitos anos até subir totalmente nos trilhos. Mas também deixou de ser um bonde desgovernado, ladeira abaixo.

Bronca geral
Pegaram no pé do supersecretário Gilmar Piolla (Turismo, Indústria e Comércio) e Erton Neuhaus (Fazenda). Aliás, os dois vivem pegando-se, e a insatisfação entre as partes já é de pleno conhecimento da comunidade. Piolla quer fazer as coisas, esbarra nos impedimentos, e aí está feito o rebuliço.

Pode, não pode
Erton é servidor de carreira, testemunhou a passagem de vários prefeitos, sendo assim deve saber bem onde pisa. Diz mais o “não” do que o “sim”. A palavra “não” é muito ingrata em termos de administração, mas necessária. O “não” do Erton mexe com a velocidade de muitas deliberações, como é o caso da agilidade na expedição dos alvarás. Mas será que o secretário emperra por que quer? Ou é por que não pode e não possui condições de agilizar aquilo que as pessoas e setores querem? Dá para imaginar o sufoco ao precisar controlar uma máquina sucateada.

Amplitude
Este Corvo acredita que tanto Piolla como Erton continuarão nos cargos, e mencioná-los como exemplo não é demérito. É sim uma forma de argumento, é ponto de vista por meio da opinião. O melhor é aguardar pelos anúncios de mudanças.

Supercontroladoria
Palavrinha danada essa. Com o instrumento, Chico pretende evitar fraudes em sua administração. Em muitas ocasiões, o que é considerada uma fraude acontece pela simples falta de habilidade do gestor e sua equipe. Uma prestação de contas malfeita pode resultar em fraude aos olhos do Ministério Público. Uma controladoria eficiente pode ajudar a atenuar essas falhas que acabam condenadas como crimes. E no mais, controlar é mesmo uma maneira de evitar o cometimento dos crimes pelos bandidos travestidos de homens públicos. Se o prefeito nomear honestos, as chances de fraudes já diminuirão consideravelmente.

Estava na cara
Até a votação da abertura da investigação do decoro, alguns amigos e fãs do Dr. Brito tinham esperança que houvesse uma certa benevolência por parte dos colegas de tribuna. Nada. Ninguém quis correr o risco de uma exposição pública.

Gabinete
O Corvo passou bem em frente ao comitê do Dr. Brito, que fica no Shopping Mercosul. A sala, toda enfeitada por adesivos, fotos da cidade e do vereador, está às moscas e causando certa preocupação por parte do condomínio. Quando alguém deixa de pagar a taxa, o valor é rateado entre os demais. Dr. Brito começou a dar prejuízo?

 

Abrigos de ônibus
No fim a prefeitura vai acabar colocando abrigos iguais aos que já existiam. E cada unidade custa algo em torno de R$ 7.500, bem mais que muitas sugestões enviadas para esta coluna, a começar pelas estruturas em concreto. Agora cabe à população cuidar do mobiliário e denunciar os vândalos. É aonde chegamos.

Comparação
Este Corvo não vai ocupar espaço com comparações, isso pode irritar o povo do Foztrans, mas os pontos de ônibus de Cascavel (foto) são bem mais confortáveis. Para o usuário e o bolso dele. Afinal quem usa é que paga.

Olha a melancia!
Seu Ramiro Leite, pré-candidato a deputado federal e virtual concorrente ao troféu melancia no pescoço, enviou as fotos de sua filiação no partido do Ratinho Junior. Se levar o assunto a sério, poderá ter em seu palanque ilustres como Cláudia Pereira e o maridão Reni. Ambos sempre se beneficiaram da avalanche de votos causada pelo Ratinho.