Paraná registrou 1.714 mortes em rodovias que não foram duplicadas

31 de janeiro de 2019
Foz perde para o Cascavel CR em pleno estádio ABC
31 de janeiro de 2019

Paraná registrou 1.714 mortes em rodovias que não foram duplicadas

Na manhã de 10 de setembro de 2011, uma van que transportava estudantes de Balsa Nova dirigia-se a Foz do Iguaçu, onde os alunos participariam de uma competição de karatê. Entre Matelândia e Medianeira, a van bateu de frente contra um caminhão câmera fria. Cinco pessoas morreram, sendo três adolescentes.

Acidentes como esse poderiam ter sido evitados se a BR-277 tivesse sido duplicada em 2004, como estabelece o contrato original da concessão do pedágio no Paraná. Contrato que foi mutilado ao longo de 20 anos, por meio do pagamento de propina, ocasionando a supressão de obras de duplicação e aumento abusivo das tarifas.

O Ministério Público Federal (MPF) não tem dúvidas quanto a isso. “Se as obras de duplicação que estavam programadas no anel de integração tivessem sido realizadas, muitas mortes teriam sido evitadas”, disse o procurador do MPF, Deltan Dallagnol, em sua denúncia envolvendo o governador Beto Richa e mais 32 pessoas.

Adelino de Souza Freelancer /Foto: Divulgação)

Share

GDIA