Papo de buteco

Inscrições abertas para o 21º desafio de pesca à corvina
13 de setembro de 2017
Confraternização
13 de setembro de 2017

Papo de buteco

Tentaram fazer um barulho com o fato de o procurador-geral Rodrigo Janot frequentar um boteco e nele encontrar um advogado que atua em casos conflitantes. Não colou. Os botecos são sacrossantos recintos, nos quais há uma espécie de vácuo nas questões latentes. Ninguém lá desopila processos, e sim o fígado. Há sempre isso de tentarem desclassificar os botecos em razão da presença de ilustres.

E o PT?
O que será do Partido dos Trabalhadores? Se bem que são raras as agremiações impunes ao hecatombe político brasileiro. O problema é que o PT é um partido no qual há uma estrela máxima como é o caso de Lula — e, em razões das disputas internas, nunca deixaram germinar outra semente que não fosse um membro da trupe que hoje está complicada com a Justiça. Dilma tentou e se lascou. Em boa parte dos outros partidos se criaram novas alternativas, como é o caso do PMDB, PSDB e até o PP. Os tucanos são um exemplo dessa alteração de lideranças. Aonde vão é que a gente também não faz ideia.

Futuro
Quando converso com as pessoas, procuro saber o que pensam sobre a política. A maioria muda de assunto e quem segue o papo envereda pela direitona, falando em milicos, ditadura e coisas do tipo. É pra ver aonde chegamos: a qualidade dos políticos é tão ruim (sem querer generalizar) que as pessoas preferem os ditadores. É o fim! A democracia estará sendo surrada se depender da cabeça dos brasileiros.

Cautela
Mas ainda há algo que pode ser positivo nessa confusão: o cidadão diz que está na observação, ou seja, acompanha com mais atenção a caminhada dos representantes no Executivo e Legislativo. No geral se manifestam preocupados em não desperdiçar o voto, e é aí que surge a derradeira dúvida: quem é de fato merecedor do aval? Eu diria que ainda é cedo e há tempo para analisar.

Comum acordo
Não entendo a cabeça do ser político. Todos que estão em atividade sabem que o lançamento de muitos candidatos inviabiliza a eleição, no entanto se lançam como isso não fosse um problema coletivo, e sim apenas entre eles, rivais e concorrentes. É quando o ego complica a essência da missão pública. Em cada dez pessoas com quem troco opiniões, todas recriminam e criticam o lançamento de candidatos como pencas de banana. O político tem todo o direito de vislumbrar a carreira, mas deveria meter a mão na consciência.

Amadurecimento
Crescerão no conceito da comunidade os políticos que demonstrarem capacidade de abrir mão de uma campanha em favor de alguém com chances. Em outras palavras, quem deixar de atrapalhar abrirá portas para o futuro, por meio do reconhecimento, e será assim o processo natural de sobrevivência na área pública. Imagino que o político do futuro é aquele que sabe decifrar esses enigmas que permeiam a simpatia popular. Quem souber decifrá-los vai se dar bem.