Os fatores de risco do coração são modificáveis

Mudanças no cheque especial não resolvem alto custo do crédito
2 de julho de 2018
Parque Tecnológico Itaipu (PTI) recebe comitiva da embaixada canadense no Brasil
2 de julho de 2018

Os fatores de risco do coração são modificáveis

A atividade física praticada regularmente é com certeza o melhor caminho, aliado ao abandono dos velhos hábitos e com a adoção de uma dieta rica em nutrientes

A maioria dos fatores de risco para o coração é modificável. Tabagismo, colesterol, obesidade, estresse, sedentarismo, hipertensão e diabetes podem ser mudados com hábitos de vida e, em alguns casos, com medicamentos.
Saiba exatamente como hábitos errados prejudicam seu coração:

Fumo – Segundo o comitê antitabaco da Sociedade Brasileira de Cardiologia, o fumo aumenta em três vezes a chance de infarto. Ele também interfere em outros fatores de risco, como hipertensão arterial e colesterol alto.

Álcool – Estudos como o Interheart ( que envolveu 30 mil pessoas nos cinco continentes e foi patrocinado pela Organização Mundial de Saúde), apontam que o consumo moderado de álcool (duas doses por dia para homens e uma por dia para as mulheres) pode diminuir o risco de doenças do coração. Acima dessas doses, aumenta a chance de derrame hemorrágico, eleva a pressão arterial e os níveis de triglicérides.

Estresse – Além dos efeitos imediatos, o estresse está associado a uma série de efeitos indiretos. Pessoas estressadas têm tendência a fumar mais, alimentar-se mal, abandonar a atividade física etc.

Sedentarismo – Segundo a OMS, a falta de atividade física praticamente dobra o risco de a pessoa desenvolver doenças cardiovasculares. A atividade física se praticado a longo prazo, com intensidade moderada e se a pessoa modifica o estilo de vida fazendo com que desapareçam velhos hábitos e fatores de risco significativos como o tabagismo, a dieta ruim e o estresse. Movimente-se! (Equipe BemStar / Foto: Divulgação)

 

Share

GDIA