Opinião

Correios
19 de fevereiro de 2018
Na geral
19 de fevereiro de 2018

Opinião

Bom dia, leitor!
‘Carpe diem!’
– Hoje, segunda-feira, dia 19 de fevereiro, é comemorado o ‘Dia do Esportista’;

Intervenção no Rio de Janeiro
A intervenção que ora acontece no estado do Rio vai dando o que falar. Melhor para Michel Temer, posto que há quem afirme que ele não teria os votos para fazer passar no Congresso Nacional a PEC da Reforma da Previdência, que agora ficou travada na pauta da Câmara em razão da edição do decreto que colocou o Exército para cuidar da área de segurança pública naquele estado.
Melhor para Michel Temer que a intervenção dê certo, afinal isso certamente fará com que sua popularidade finalmente saia dos 3% e ele possa influenciar na própria sucessão. E por que Michel Temer precisa influenciar na eleição de seu sucessor? Porque a partir do dia 1º. de janeiro de 2019 o presidente descerá à planície, voltando a ser um cidadão comum às voltas com problemas na Justiça Federal, problemas dos quais a Câmara Federal o livrou duas vezes em 2017. Temer precisará de um cargo que lhe garanta o foro privilegiado, certo? Nada que seu sucessor ungido não possa fazer por ele.

Intervenção no Rio de Janeiro (2)
O deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG) foi ao Twitter e enunciou: “O Exército é feito e treinado pra guerrear, para lugar contra um inimigo externo. Esse inimigo não pode ser a população. Não precisamos de uma polícia de confronto e sim que estimule e garanta cidadania. Precisamos mudar toda a arquitetura da segurança pública”. O deputado começou na Câmara Federal no mesmo ano em que Lula começou na Presidência da República, 2003, e está no quarto mandato. Soa estranho que só agora, passados 15 anos, ele se interesse em ‘mudar toda a arquitetura da segurança pública’, não é?

Saia justa
“Irmão, cadê a creche? Estou com pena da minha filha. Cadê a segurança? Cadê? Nós confiamos no senhor, porque o senhor é um homem de Deus e um homem de Deus não pode enganar a população”.
De uma moradora de favela do complexo do Lins, zona norte do Rio de Janeiro, ao prefeito Marcelo Crivella, no início do mês, quando ele visitava a região.
Há duas capitais brasileiras cujos prefeitos – todos – saíram das respectivas prefeituras de tamanho bem menor que aquele verificado na entrada: São Paulo e Rio de Janeiro. Nestas metrópoles há problemas graves de toda sorte e talvez a única forma de terminar a gestão com alguma popularidade seja focar num desses problemas graves e saneá-lo definitivamente e, assim, ser lembrado pela obra executada.

‘Magda Hoffmann’
Na semana passada a senadora paranaense e ‘presidenta’ do PT protagonizou dois micos: foi objeto de uma reportagem da ‘Veja’ mostrando que dinheiro de propina pagava até conserto de liquidificador de sua casa; entre 2010 e 2015, eram de 150 mil a 200 mil todos os meses, segundo a revista. E no Twitter ela escreveu: “Afe, muitos interesses por trás! Menos os do povo!” Gleisi se referia a uma fotomontagem barata em que aparece o juiz federal Sérgio Moro à frente de um painel onde se via os logos do PSDB e da Rede Globo. Alguém percebeu o cálculo político matreiro de Gleisi, estampou a foto certa e perguntou: “Eu conto, vocês contam ou ela já sabe?”

Viva a segunda-feira, leitor! Tenha uma ótima e proveitosa semana, ok?
Sorte e saúde sempre a todos!

Share

GDIA