Opinião

Gente comum
10 de novembro de 2017
Base do Núcleo Especial de Polícia Marítima da PF no rio Paraná completa um ano de atuação
10 de novembro de 2017

Opinião

Bom dia, leitor!
‘Carpe diem!’
– Hoje, dia 10 de novembro, comemora-se o “Dia do Trigo”.
– Também se comemora hoje o ‘Dia da Indústria Automobilística’.

Segurança Pública
A Câmara Federal não quer nem ouvir falar da Reforma da Previdência. De impopular já basta a situação de Michel Temer e seus 3% de aprovação. Mas a Câmara também não quer que o eleitorado pense que estão todos ali parados porque o fim de ano está aí e que o recesso se estenderá até depois do carnaval.
De olho também numa agenda positiva, as excelências estão arregaçando as mangas para pôr de pé quatro projetos que tratam da segurança pública, o que já não era sem tempo. No meado desta semana que já vai terminando, os deputados aprovaram o regime de urgência para tramitação dos projetos ‘que incluem a extinção da saída temporária de presos, a instituição de sistemas nacionais de informações sobre procurados pela Justiça e desaparecidos e de outro que torna infração gravíssima a não instalação de bloqueadores de sinal de celular pelas operadoras de telefonia em áreas de presídios’. Este último projeto já foi aprovado na Câmara e já seguiu para o Senado.
É a Câmara Federal trabalhando celeremente como deveria fazer sempre. Pena que só em momentos como o atual, em que compulsoriamente as excelências precisarão de algo para mostrar de consistente aos eleitores, haja vista a chegada de outubro de 2018, certo?
Em tempo: o atual presidente da Câmara é Rodrigo Maia, do DEM-RJ, sabe melhor que ninguém as condições da segurança pública em seu Estado e está interessadíssimo em se reeleger e se tornar novamente presidente da Câmara no próximo mandato. Como enunciavam os mais antigos, ‘assombração sabe bem onde e para quem vai aparecer’, não é?

Polícia Federal
Carbureto é um desses ingênuos que acreditam nas boas intenções dos políticos, em suas explicações e nas justificativas que dão para seus atos para lá de suspeitos – principalmente os da esquerda.
Agora mesmo o presidente Michel Temer trocou o Diretor Geral – o ‘DG’ – da Polícia Federal; saiu Leandro Daiello e entrou Fernando Segóvia. O que pouco tem se comentado a respeito é o fato do atual Ministro da Justiça, Torquato Jardim, que é quem comanda a Polícia Federal, não ter participado, ao que tudo indica, das negociações para escolha do novo ‘DG’.
Quem parece ter indicado o novo diretor-geral foram o atual ministro da Casa Civil do governo Temer, o gaúcho Eliseu Padilha (o ‘Fodão’ das planilhas da Odebrecht, né?) e Gustavo Rocha, atual advogado de ninguém menos que Eduardo Consentino Cunha. Há quem diga que há ainda as digitais de José Sarney, outro nosso eterno ex-presidente, na indicação de Segóvia – que trabalhou no Maranhão (aquele estado que parece ser um feudo político dos Sarney) no período de agosto/2008 a junho/2011.
Carbureto não gosta de Michel Temer e também considera que ele e seu grupo não passam de um amontoado de golpistas. Ainda assim, Carbureto não sentiu aquele cheiro de queimado tão comum no Brasil e que contém todos os odores de conspiração.
Não é segredo pra ninguém que desde o dia em que surgiram as gravações feitas por Sérgio Machado, ex-Transpetro, nas quais aparecem as vozes de José Sarney (muito discretamente!), Renan Calheiros e do eterno líder de TODOS os governos no Senado, Romero Jucá, dizendo que era necessário ‘estancar a sangria’, a alta cúpula do PMDB só tem pensado naquilo: arrefecer a Lava-Jato. Será que Fernando Segóvia teria sido indicado com a missão de abafar um pouco as coisas na Polícia Federal? A conferir.
Como bem lembra o Carbureto, todos devem ser considerados inocentes até prova em contrário, certo?

Já é sexta-feira de novo, leitor! Que vida rápida, não? Hora de se programar para o final de semana, certo?
Sorte e saúde a todos, por toda a vida!

Share

GDIA