Opinião

Na geral
6 de novembro de 2017
Cunha diz que MPF e Joesley forjaram compra de silêncio para incriminar Temer
6 de novembro de 2017

Opinião

Bom dia, leitor!
‘Carpe diem!’
– Hoje, dia 06 de novembro, comemora-se internacionalmente o ‘Dia do Saxofonista’.
– Por aqui se comemora o ‘Dia Nacional do Riso’ (piadas prontas não nos faltam, certo?).
– Hoje também se comemora o ‘Dia Nacional do Amigo da Marinha do Brasil’.
– Foi nesta data, em 1917, que eclodiu a Revolução Russa (vide abaixo).

História
A Revolução Russa foi um período de conflitos iniciado em 1917, que derrubou a autocracia russa e levou ao poder o Partido Bolchevique, de Vladimir Lênin. Recém-industrializada e sofrendo com a Primeira Guerra Mundial, a Rússia tinha uma grande massa de operários e camponeses trabalhando muito e ganhando pouco. Além disso, o governo absolutista do czar Nicolau II desagradava o povo que queria uma liderança menos opressiva e mais democrática. A soma dos fatores levou a manifestações populares que fizeram o monarca renunciar e, no fim do processo, deram origem à União Soviética, o primeiro país socialista do mundo, que durou até 1991.
A revolução compreendeu duas fases distintas: (i) a Revolução de Fevereiro (março de 1917), que derrubou a autocracia do czar Nicolau II, o último czar a governar, e procurou estabelecer em seu lugar uma república de cunho liberal; e (ii) a Revolução de Outubro (novembro de 1917), na qual o Partido Bolchevique derrubou o Governo Provisório, apoiado pelos partidos socialistas moderados e impôs o governo socialista soviético.

Estado de Direito
O rescaldo do imbróglio ocorrido na Espanha e o espírito catalão de alguns iluminados investidos do desejo separatista ainda vão dar muito o que falar. Por ora uma juíza, a doutora Carmen Lamela, atendendo a pedido do Ministério Público mandou prender o presidente destituído Carles Puigdemont e mais quatro assessores dele.
Puigdemont é desses que vivem numa realidade paralela que, lançando mão de um plebiscito manjadíssimo (como o de certos países bolivarianos) e inconstitucional, resolveu questionar os catalães a respeito de seu antigo de se separar da Espanha. Mais de 90% das pessoas que atenderam ao questionamento de Puigdemont disseram que sim, que queriam se separar da Espanha. Acontece que menos de 40% da população catalã compareceu para dar ao embuste de Puigdemont.
O governo central, que tem Mariano Rajoy Brey à frente, resolveu por bem dar uma lição na saliência do governo catalão e, obedecendo o que a lei prescreve, mandou destituir Puigdemont, que se refugiou na linda Bruxelas e, de lá, mandou avisar que disputará as eleições marcadas para 21 de dezembro próximo. Como se vê, o rapaz vive mesmo numa realidade paralela.
Puigdemont deveria aproveitar a passagem de Gilmar Mendes por Lisboa por estes dias e pedir a ele que lhe desse umas dicas a respeito do Estado de Direito. Talvez Gilmar Mendes consiga fazer o ex-presidente fujão entender que há países e países. Em muitos países vale o que está escrito na lei e há países nos quais o que vale mesmo é o grau dos intere$$e$…

Para ilustrar
Sabemos que há países e países, certo? Certo. Recentemente 5 ex-presidentes americanos se reuniram na Universidade do Texas com o objetivo de arrecadar fundos para ajudar vítimas daqueles estados devastados por furacões – Texas, Flórida, Louisiana, Porto Rico e Ilhas Virgens.
Jimmy Carter (93 anos), Bill Clinton (71 anos), Barak Obama [Democratas] e mais George Bush (93 anos) e George Bush (71 anos), o filho [Republicanos] foram dar sua contribuição e exemplo.
Agora separemos 5 ex-presidentes brasileiros vivos: Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso, Fernando Collor de Mello e José Sarney. O que se poderia esperar de um encontro entre eles?

Boa segunda-feira, leitor. Tenha uma semana abençoada, ok?
Sorte e saúde a todos, por toda a vida!

Share

GDIA