Olha o “Brazil” nos jornais aí, gente!

Lojas francas
2 de abril de 2018
Data especial
2 de abril de 2018

Olha o “Brazil” nos jornais aí, gente!

Nosso país aparece muito nos jornais fictícios e, claro, nas chamadas fake news. Alguém teve o cuidado de elaborar uma capa falsa do lendário Charlie Hebdo esculhambando a Suprema Corte. A ilustração, por meio de uma paródia com o quadro A Santa Ceia, do mestre Leonardo Da Vinci, põe na mesa, no lugar de Jesus entre os apóstolos, seu Lula com os ministros da Suprema Corte. “Court Suprême du Brésil estime que Lula est un saint.” Será que precisa traduzir? A publicação corre pelas redes sociais. Lula tem sido sim alvo do jornal satírico, por isso em tese não se precisaria falsificar a capa de uma edição. Na foto, a grotesca colagem com a publicação verdadeira ao lado.
Foto do corvo

Dr. Brito com paciência
O ex-vereador, bem mais magro e aparentemente abatido diante das circunstâncias que tem enfrentado, é corriqueiramente visto em vários locais de Foz, em especial numa padaria na Vila Yolanda, a qual sempre frequentou. Ele confidenciou a um amigo que “não sente vergonha daquilo que não fez” e que vai provar a inocência na Justiça. Bom, se está tranquilo deve possuir provas. Para quem ele vai mandar a conta do estrago, isso são outros quinhentos.

Os pássaros e os alvos
“Se o passarinho colocar a cara para fora do ninho, leva uma estilingada”, disse um “desistente” da pré-candidatura. Como este Corvo já escreveu, está aberta a temporada de caça aos políticos, e tem gente comprando guarda-chuva de aço para se proteger do apedrejamento. Segundo uma conversa informal, se o processo de destruição persistir, poucas almas se salvarão do que pode ser uma espécie de genocídio eleitoral. De uma lista de 27 prováveis candidatos a deputado estadual e federal, apenas quatro estariam em condições de concorrer sem levar susto.

Desistência
Olhando para o que enfrentam algumas pessoas, com a imagem pública enxovalhada, há quem já tenha desistido da ideia de aventurar uma candidatura neste ano. Contaram para o Corvo que as famílias são o maior fator de desistência. Esposas, maridos e filhos são os principais agentes da “desistência” de quem sonha com a candidatura.

Novos integrantes
Hoje o comerciante João Sabino vai sentar-se na cadeira de vereador. O presidente do Legislativo, Rogério Quadros, presidirá o ato, e a dona Inês da Saúde voltará para o Câmara, onde permaneceu por apenas alguns minutos no início do ano passado (2017); ela está cheia de planos para a sua legislatura, mas parece enfrentar um pequeno problema: escolher três entre dezenas de simpatizantes para os cargos de assessoria. Aonde ela vai, um monte de gente vai atrás. Decerto Inês fará a escolha como nos tempos de menina: “Minha mãe mandou e escolher esse daqui”!

Legislatura e campanha
Como sabemos, Inês é mais uma integrante do Legislativo que supostamente enfrentará uma campanha eleitoral neste ano. Como vereadores não precisam afastar-se dos cargos, é bem provável que o presidente Rogério Quadros faça algumas blitze para controlar a frequência e a presença da turma em plenário.

Lojas francas
Corvo, achei muito interessante a sua coluna de ontem, abordando aspectos bem técnicos sobre a construção dos free shops em Foz do Iguaçu. A realidade é que o centro da cidade não é local para isso, teremos sim uma porção de Galeria Pajé vendendo quinquilharias, e não é bem isso que a cidade vislumbra. O seu “consultor” parece ser de fato alguém que entende do batente e fez um questionamento que despertou muitas pessoas: se já temos um free shop em Puerto Iguazú, e depois dele o comércio de Foz só cresceu, por que tanto medo de algumas pessoas?
Raphael Correia

Questão de futuro
Corvo, não moro em Foz, mas acompanho as notícias daí. Minha filha e meus netos residem na fronteira desde o início deste século. Pensa Corvo: Foz é uma cidade e possui dois shoppings, até pouco tempo tinha apenas um cinema, a gastronomia era acanhada, e a única diversão para os visitantes ou era cassino ou fazer compras no Paraguai e Argentina. Veja, moro num bairro em São Paulo que possui seis shopping centers, isso mesmo, meia dúzia, e enfrento problema com filas e estacionamento toda vez que resolvo visitar um deles. Sua cidade precisa aprender que as coisas evoluem, Corvo. Foz será uma das cidades mais espetaculares do país e da América num futuro bem próximo, e com os free shops então, será só alegria!
Elvira Brandão

O Corvo responde: prezado professor Raphael e dona Elvira, Foz enfrenta esse tipo de aflição, esse medo que ninguém sabe explicar de onde vem. Primeiro o problema era Ciudad del Este, e no fim das contas crescemos juntos; depois tremiam quando ouviam falar em shopping centers, hoje temos dois, e eles estão estufados de gente praticamente todos os dias; há projetos para mais dois shoppings, inclusive; agora estão igual vara verde por causa das lojas francas. O iguaçuense precisa aprender a não ter medo do progresso.

Tecnologia
Quem diria, o Paraguai pode sair na frente em matéria de eleições digitais. Segundo uma fonte, nosso vizinho estuda uma forma de realizar as eleições via voto por celular ou computador, por meio de senha e assinatura eletrônica. Se isso acontecer, o custo de uma eleição será reduzido a um número perto de zero. Que maravilha, as pessoas poderão votar em casa! É uma barbaridade de avanço, considerando que o cidadão ainda mergulha um dedo no tinteiro ao enfrentar a urna.

Disponibilização de veículos
Se um dia encostar um BMW, Mercedes ou outro desses carrões importados na frente da sua casa, não se anime tanto achando que é um parente rico. Pode ser a prefeitura, ou outro órgão, fazendo uma visitinha. Isso será possível caso um órgão seja contemplado com a disponibilização de veículos apreendidos.

“Cabritos”
Antigamente esse tipo de veículo era chamado de “cabrito”. Houve um tempo em que as delegacias “prensavam” os veículos apreendidos para desocupar o pátio e também para eles não apodrecerem. Já houve situação em que presos dormiam nos carros estacionados, por falta de espaço na carceragem.

Vadios
Não há outra maneira de classificar ou dar nome para alguém que rasga e espalha o conteúdo dos sacos de lixo nas ruas centrais de Foz. Todo final de semana acontece essa farra e Foz amanhece emporcalhada pelos vândalos.

Cadê o ministro
Valter Casimiro Silveira é o novo ministro dos Transportes. A pergunta é: ele virá amanhã, dia 4/4, para assinar a “ordem de serviço” para as obras na BR-469, conforme anunciado? A tarefa era do ministro que deixou o cargo. Mas como Valter é indicação do PR, partido do deputado Fernando Giacobo, muita gente está mantendo a agenda em pé. Se a promessa for cumprida, palmas para os políticos! Do contrário, será mais uma bola nas costas de quem anunciou a visita e o ato.

Chafariz?
Chamar de “chafariz” aquele chuveirinho virado para cima na Praça do Mitre beira ao ultraje. A praça ficou horrível, sem graça, cheia de estruturas que não servem para absolutamente nada. Na verdade, praticaram um desperdício. A praça era bem melhor do jeito que estava antes da reforma. Mais uma obra para o Reni ficar na lembrança do povo.

Templo Budista
Puxa vida, Corvo, eu não sabia que era possível visitar o Templo Budista. Aliás, nem sabia que existia um em Foz. Pensava que era no Paraguai e fechado para os religiosos refletirem os ensinamentos.
Maria Aparecida Mendoza

O Corvo responde: santa paciência! Algumas pessoas, além de desantenadas, ainda fazem questão de não esconder isso. É uma tristeza. Mesmo assim o Corvo responde: sim, temos um Tempo Budista em Foz, e ele fica lá pelos lados do Porto Belo. É um local magnífico para se visitar. Detalhe: a entrada é de graça.

Share

GDIA