Moradores e muitas crianças observam cadáver num dos bairros violentos de Foz – Roger Meireles

GDIA