Fuzuê do Lula

Opinião
14 de março de 2018
Tamanho de ruas e lotes são principais mudanças na alteração de Lei do Parcelamento do Solo
14 de março de 2018

Fuzuê do Lula

 

Ontem pela manhã havia algumas pessoas em frente ao Gazeta Diário aguardando por ninguém menos que o ex-presidente Lula. Com a possibilidade da visita, alguns funcionários pensaram em ir embora. O que se vai fazer? O homem é unanimidade entre uns e deplorável para outros. Mas lá pelas tantas o Corvo ficou curioso e perguntou para uma das pessoas que estava lá, vestindo camiseta do MST: “Quem disse que o Lula virá aqui”? E o militante respondeu: “Ele vem dar entrevista, disseram”.

Entrevista?
Daí foi uma correria para saber da possibilidade da visita. Nada, tudo errado, Lula daria entrevista ao Jornal da Manhã, da Rádio Cultura. E, segundo informaram ao Corvo, também havia gente na porta da emissora. Lula concedeu a entrevista pelo telefone ao super-Aírton José, com transmissão on-line da imagem. Falou da caravana pelo Brasil, da volta da pobreza, da desesperança, da quebra dos padrões de otimismo. Falou da sociedade pessimista e do ódio que há entre as pessoas. Lula estava tranquilo, aparentemente mais magro e vestia uma camiseta cinza, como acabasse de dar uma caminhada. A entrevista bombou nas redes sociais. O Corvo aconselha procurarem a entrevista no Facebook ou no site da emissora.

Dá-lhe, Barroso!
O tempo passa, o tempo voa, e o presidente Michel Temer nunca fica numa boa. Está de frente para o garrote mais uma vez, e quem aperta a traquitana é o ministro Luiz Roberto Barroso. Alguém lá de Brasília disse para o Corvo que isso está acontecendo porque foram cutucar a onça com uma vara bem curtinha.

Correios em greve?
E os funcionários de lá estavam trabalhando? Sim, porque é mais fácil saber que estão em greve do que outra coisa. A encrenca para variar é a falta de investimentos por parte do governo, o que poderá acarretar a privatização de uma das instituições mais antigas do país, existindo desde 1663. Só nos anos 30 é que deram uma modernizada, sendo assim, aprimoramento lá não é uma coisa levada muito a sério pela estatal. E outra reivindicação é o não desconto das regras nos planos de saúde. Os servidores não querem que as tarifas sejam descontadas da folha.

Revisão
Muitas pessoas imaginam que os Correios e Telégrafos não possuem mais serventia. Não é bem assim, mas imaginamos que a atividade sofrerá os sobressaltos da tecnologia. Hoje, por exemplo, é mais barato e confiável enviar um documento pelas empresas especializadas privadas. Nisso os servidores estão cobertos de razão, quando questionam a falta de investimentos. No fim, os Correios são uma máquina pública inchada, que valoriza mais do que deveria as indicações políticas. Uma pena, pois antes era possível acertar o relógio quando o carteiro passava pela rua.

Reclamações
A telefonia é a campeã de reclamações no Procon. Pudera, há mais celulares e linhas telefônicas no Brasil do que habitantes. E adianta reclamar com operadoras? Pintam e bordam e, em vez de devolver um serviço de altíssima qualidade, deixam os usuários roxos de raiva. E no mais, o que se ouve é a operadora quase eletrônica dizer que “vai estar resolvendo o seu problema”. Que barbaridade.

Inelegível
A Câmara decidiu que o Dr. Brito ficará inelegível por oito anos. Enquadraram o vereador, ou ex, na Lei da Ficha Limpa. É uma prerrogativa do Legislativo votar questões assim, mas o tema deve ser decidido na Justiça, o que ocorrerá, olhando-se para o andar da carroça.

Desgaste
Embora a tentativa de Brito de atenuar a paulada, renunciando ao cargo, os vereadores não deixarão barato, pois, segundo consta, ele não entregou uma defesa no prazo esperado pelo Conselho de Ética. Quer dizer, não adiantou nada se antecipar, pois o pau vai comer do mesmo jeito.

Desconfiança
O pedido de renúncia do Dr. Brito foi rabiscado, com letra de médico, num papelzinho e à mão. Mas a caligrafia era bem legível. Acontece que houve certa desconfiança sobre a autenticidade do documento, com pessoas imaginando que aquilo poderia ser uma “obra de arte” de outro réu. Precisou um advogado conferir a veracidade do pedido de desligamento.

Cartório carcerário
Olhando para a renúncia em forma de bilhete, dá para ter uma ideia de como anda a cabeça do Dr. Brito. E nas condições que ele enfrenta, alguém imagina que iria produzir um documento com todas as formalidades, com papel timbrado, registro em cartório e se preocupar em colher assinatura de testemunhas? Oras, façam o favor!

Dureza pura
A prisão é um moedor de ossos, especialmente para alguém que deixa a celestial mordomia de autoridade e vai parar no inferno sem parada no purgatório. Então vamos tentar imaginar o sofrimento do réu, com as acusações do Ministério Público, os desgastes na imagem, o risco de ser afastado da profissão, o consultório à deriva, os problemas financeiros, a vergonha da família e, por fim, o “pega geral” na Câmara. Não é fácil não, meu irmão, é coisa para quem tem nervos de aço.

Apoio
Contaram para o Corvo que alguns amigos do quase “ex-vereador” estão muito preocupados em confortá-lo assim que deixar a prisão. Isso já estaria em vias de acontecer, se compararem casos semelhantes ocorridos contemporaneamente. Há quem insista que o isolamento temporário seria a solução, de preferência longe de Foz do Iguaçu. Consta que o réu está muito abatido, magro e com um olhar muito triste, visão bem diferente da pessoa inquieta e, em certos aspectos, irreverente. A luta do Dr. Brito será longa e demorada, ele precisará reencontrar um foco de energia para lidar com a situação.

Difícil achar suplentes
É pra ver como é o cenário político de Foz do Iguaçu: foi preciso queimar um certo fosfato para se chegar ao suplente do Brito. Um não podia por isso; outro, por aquilo; e foi assim até chegarem ao João Sabino, eleito com 451 votos. O nível de representatividade é baixo, independentemente da qualidade de quem assumirá a cadeira na Câmara.

Reni again
Chegam cartas a este Corvo pedindo para que o nome de Reni Pereira suma dos noticiários e da coluna. Há leitores que revelam enjoo ao lerem fatos relacionados ao ex-prefeito. Mas o caso não é tão simples assim; até dá para tirar Reni da notícia, o caso é a notícia sair dele. Não bastasse o futuro enegrecido em razão das denúncias que o envolvem nas fases da Operação Pecúlio, surge mais uma raquetada em matéria de desaprovação das contas. E vem mais bronca pelo caminho, segundo uma informação de cocheira.

Não vendem
Certas figuras cansam a beleza dos leitores de um jeito que há o risco de fazer os jornais encalharem. Quando alguém cai em descrédito, há uma faixa que sustenta o interesse coletivo. Isso vai perdendo a tolerância, e nem mesmo fatos novos chamam a atenção. Reni é uma carta muito desgastada no baralho da opinião pública. Ele e quase toda a geração de pessoas que mandaram na cidade no mesmo período.

Janela partidária
Com o endurecimento na escolha de nomeados, pois quem tiver o rabo chamuscado deve ficar fora de cargos públicos, será muito complicado repor a quantidade de vagas ocupadas em secretarias, autarquias, ministérios e demais funções em todos os segmentos do Executivo. Vai sobrar espaço quando tudo mundo resolver sair visando a concorrer nas próximas eleições. Provavelmente teremos nomes desconhecidos e, para variar, pessoas inaptas nos escalões estaduais e federais.

Facebook
Corvo, eu tinha uns cinco mil amigos no Facebook, mas amanheci com menos de 200. O que será que aconteceu? E o pior é que eu fico ligada o tempo todo, sem perder uma postagem desses meus amigos queridos. Sabe dizer o que está acontecendo?
Daniela Salgado

O Corvo responde: prezada, isso é uma pergunta que você deve fazer ao Mark Elliot Zuckerberg, um dos donos da ferramenta. O Corvo é um zero à esquerda sobre a mecânica das redes sociais. Mas aqui vai uma reclamação: todos os dias este Corvo é enfiado num grupo de WhatsApp, sem pelo menos a educação de pedirem a inclusão. A resposta é a saída imediata do grupo. E discutem cada assunto sem pé nem cabeça, com texto pobre, cheio de erros. Francamente, não dá para perder tempo com isso.

Abandono
Corvo, esses dias eu li umas notinhas na sua coluna sobre o barulho que um “morador do Clube Hípico” anda causando. Falar nisso, o que foi que aconteceu com o clube, que está meio que abandonado? Fui lá umas cinco vezes para tentar colocar meu neto na escolinha, e o portão está sempre fechado e agora usam a entrada para os carros das imobiliárias que vendem lotes nas imediações. O telefone também não é atendido. Que triste isso.
Ramona Vieira

Share

GDIA