Frio aumenta em 30% os casos de infarto, alerta instituto

16 de julho de 2018
Frota do SAMU de Foz do Iguaçu é renovada em 100%
16 de julho de 2018

Frio aumenta em 30% os casos de infarto, alerta instituto

A relação entre o coração e as baixas temperaturas ocorre quando os receptores nervosos da pele sentem o frio e liberam uma substância que contraem os vasos sanguíneos

Uma pessoa com o “coração frio” corre grandes riscos, não só de não encontrar a felicidade, como descrevem os grandes clássicos da literatura, mas sim de sofrer um infarto. No inverno, os índices dessa doença aumentam em 30%, principalmente quando a temperatura está abaixo dos 14 graus. As informações são do Instituto Nacional de Cardiologia (INC). A relação entre o coração e as baixas temperaturas ocorre porque, quando os receptores nervosos da pele sentem o frio, estimulam a liberação de catecolaminas (substâncias que, dentre outros efeitos, contraem os vasos sanguíneos). Com isso, a pressão sanguínea
aumenta, podendo levar a ruptura de placas de gordura no interior das artérias. As pessoas que convivem com fatores de risco,
como colesterol elevado, tabagismo e obesidade, devem evitar a variação súbita de temperatura, pois o choque térmico pode provocar, além do infarto, angina, arritmia e até acidente vascular cerebral (AVC). “O frio prejudica principalmente aqueles que já têm alguma doença cardíaca, mas pode prejudicar aqueles que não têm ou que ainda não sabem que possuem alguma enfermidade no coração. No Brasil, nem todas as regiões registram baixas temperaturas durante o inverno, mas é bom ficar
atento”, disse.

Hipertensos e diabéticos correm mais riscos
As pessoas que sofrem de hipertensão e de diabetes correm mais riscos durante o inverno. Segundo Bozza, essas doenças atingem a circulação sanguínea e ficam mais intensas com a chegada do frio.
No caso dos diabéticos, os problemas atingem mais a circulação dos membros inferiores, que chega a ficar obstruída por causa do frio. “A perna, inclusive, começa a ficar roxa por causa da obstrução da circulação do sangue. Pode dar até gangrena”, disse.

Riscos até ao caminhar na praia
O médico alertou também para aqueles que gostam de caminhar na praia. “Na época do inverno, o dia pode estar até com o sol,
mas o vento sempre está frio. Por isso, ao caminhar na praia, a pessoa deve se agasalhar muito bem para se prevenir”, disse.
Além dos agasalhos, Bozza também orienta as pessoas a tomar chás e cafés à noite, quando o frio aumenta. Ele sugere, inclusive, uma taça de vinho. “Nas estações de esqui é muito comum beber uma taça de vinho ‘quente’ para afastar o frio. Aqui no Brasil, como estamos na época das festas juninas, um ‘quentão’ também pode aumentar o calor corporal. Mas de forma
controlada, nada em excesso”, ressaltou o médico. (Assessoria / Foto: Divulgação)

 

Share

GDIA