Vermelho acompanha tramitação do projeto da Estrada do Colono

Motorista de van é preso com 160 kg de maconha durante abordagem na PIA
17 de abril de 2019
17 de abril de 2019

Vermelho acompanha tramitação do projeto da Estrada do Colono

A reabertura da Estrada do Colono foi uma das bandeiras defendidas por Vermelho durante a campanha eleitoral. Ele assumiu em 1º de fevereiro e já no dia 20 protocolou o projeto de lei 984/2019 criando a categoria de unidade de conservação estrada-parque.

A partir da apresentação do projeto, Vermelho tem acompanhado passo a passo sua tramitação. “Esse parecer favorável na Comissão de Transportes representa um degrau importante. Agora vamos brigar para ele passar nas demais comissões”, diz Vermelho.

O deputado argumentou que o projeto “vai muito além da resolução de um problema de logística no Estado do Paraná, uma vez que corrige essa injustiça histórica – que foi o fechamento da Estrada do Colono – e atende ao clamor social de décadas do povo paranaense, resgatando a história e as relações socioeconômicas, ambientais e turísticas da região”.

Vermelho frisou que o fechamento da estrada prejudicou milhares de famílias que se viram isoladas, longe dos filhos, irmãos, pais e amigos de longa data que vivem do outro lado do parque. “O fechamento da estrada cortou sobremaneira esse convívio social”.

“A abertura dessa estrada também contribuirá com a preservação da fauna e da flora, uma vez que um meio ambiente equilibrado serve a todos, mas uma unidade de conservação isolada não cria benefícios à população, tampouco aumenta a compreensão de sua importância”, destaca o deputado.

Foz beneficiada

Vermelho diz ainda que a reabertura da Estrada do Colono beneficiará muito a população de Foz do Iguaçu porque a maior parte dos turistas provenientes do Rio Grande do Sul e Santa Catarina precisa ir até Santa Tereza do Oeste ou passar em território argentino para chegar em Foz. Com a estrada aberta eles virão direto. “Chega a ser um contrassenso, porque os cidadãos brasileiros são forçados a ingressar em território estrangeiro, submetendo-se a leis e regras da nação vizinha, simplesmente para ter um caminho mais curto para conhecer atrações turísticas brasileiras”.

Adelino de Souza Freelancer / Foto: Divulgação

 

 

 

 

 

Share

GDIA