Corvo acompanhado

Decifra-me ou te devoro
12 de setembro de 2017
Bom dia, leitor!
12 de setembro de 2017

Corvo acompanhado

Nesta semana haverá umas modificações na paginação do Gazeta Diário; e levando em conta a falta de espaço, o Corvo terá de compartilhar novamente a página — dia sim, dia não — com o Chico de Alencar e o Rogério Bonato. Sendo assim, as notas deste escriba precisarão ser racionais, mais concisas. Quem manda o periódico ser um sucesso comercial? Bem-vindos os velhos amigos.

Ecoflores
Prezado senhor Corvo, ao contrário do que disseram, a Ecoflores está linda e muito movimentada. O final de semana foi sucesso absoluto, e apesar de estar em novo endereço muita gente foi prestigiar a feira. Outra informação inverídica publicada nesta coluna é que a feira está com novos distribuidores. Isso não é verdade, Corvo. O Rotary manteve os mesmos fornecedores, de Holambra (SP) e São Jorge do Oeste (PR). Outro detalhe que vale ressaltar é que agora a feira tem estacionamento próprio. Os visitantes podem deixar os carros no CTG e fazer as compras sem pressa. Antes, na Praça da Bíblia, isso era um grande problema. Portanto fica aqui o convite para a população prestigiar o evento, que segue até dia 17 deste mês. A entrada é franca, e o funcionamento segue das 10h às 21h.
(Assessoria)

O Corvo responde: tanto o jornal como este pássaro são parceiros incontestes do Rotary e do evento. O que não podemos é negar espaço para as pessoas que desejam manifestar opinião sobre o evento — pra ver o quanto ele é importante. Em todo caso, taí a resposta dos organizadores e desfeitos os enganos sobre fornecedores e tudo mais! Viva a Ecoflores!

Dona Copel
A coluna recebeu a reclamação de um usuário sobre a demora na religação do medidor. O novo locatário, após entrar na casa, esperou cinco dias para o fornecimento de energia, e nada; quando foi verificar a demora, alegaram que não havia alguém na residência e, sendo assim, não foi possível fazer a ligação. Oras, quem vai ficar cinco dias de plantão numa residência sem luz aguardando o pessoal da companhia elétrica? Façam o favor! Quando é para desligar, não tem conversa, com ou sem gente. No mais, o consumidor observou que o medidor está ao lado da rua, o muro é baixinho (apenas uma cerca de um metro) e não havia razão para a companhia deixar de realizar o serviço. Vá lá, Copel, ligue a luz de quem nada deve.

Dona Claudia
Investigada, a deputada possui foro privilegiado, portanto segredo de justiça e coisa e tal. Na ocasião (ontem) Claudia Pereira fez as vezes de testemunha do maridão Reni, mas ela ainda será ouvida na condição de envolvida, segundo consta no conteúdo das delações. Bom, o Corvo fechou a coluna bem antes do horário previsto para o depoimento ou videoconferência. Tecnicamente é uma das testemunhas mais valiosas do ex-prefeito. Ou será diferente?

Mamógrafo
Este Corvo, em certa ocasião, quando escrevia para o jornal A Gazeta do Iguaçu, alguém tentou aplicar um senhor puxão de orelhas em razão deste passarinho cobrar o funcionamento do caminhão que seria usado para os exames de mamografia. Como este pássaro não é de levar pra casa, continuou na tarefa, e até hoje nada do caminhão. Cadê o mamógrafo, deputada? Além do mamógrafo há o suposto caso dos combustíveis em épocas de campanha. Em outras palavras, haja aspirina para tratar tanta dor de cabeça.

Nada sobre nada
Em tudo em que a nossa prezada representante se meteu não deu em nada; mirem o que restou do Provopar de Foz, que em breve será convertido em cinzas devido à dinâmica equipe que esteve à frente da empreitada — leia-se gente indicada pela deputada.

Balaio de gatos
A gata Skype, uma felina adolescente da espécie “mutt”, pariu oito crias, um de cada raça! Portanto na ninhada há gatos brancos, listrados, pretos e malhados. Interessados podem reservar aqui na coluna do Corvo. A “miação” já é grande.

Opção
E onde mais o povão de Foz vai refrescar-se em dias de calor, se não for no Terminal Turístico de Três Lagoas? Se bem que lá a turma anda pegando até uma cor. Não há quem não volte para casa no chiquérrimo tom de pele “terracota”; ou seja, marrom da cor do barro! Basta molhar-se nas águas da prainha e sair de lá embarrado até o pescoço. Já tem gente inventando que a lama possui propriedades medicinais.

Lanchonetes
Corvo, eu também quero uma boquinha na Avenida Brasil! Me diga, você considera que é correto algumas pessoas ocuparem os quiosques sem mesmo participarem de concorrência? Acho que isso não é certo. Todo mundo tem o mesmo direito.
Maria das Graças Oliva

O Corvo responde: acontece, dona Maria, que essas pessoas participaram de um certame e, devido às inconveniências ocorridas no governo do seu Reni, não houve tempo de pensar em assuntos dessa natureza. Vencidos os contratos, os concessionários foram ficando, afinal de contas geram empregos e atendem a clientela. Pense em todos aqueles quiosques fechados, a coisa feia que seria para uma cidade que se considera turística.

Reapareceu
O caso pitoresco em que alguém se aproveitou de uma viúva, dona de hotel, deve chamar a atenção da cidade nos próximos dias. Um parente saldou uma dívida com instituição financeira e vai querer o ressarcimento. Ou pagava ou o imóvel da família seria leiloado. Quem ainda não sabe desse imbróglio inacreditável vai ficar de cara ao saber de que forma um mancebo se aproveitou de uma pobre senhora de 80 anos, “em nome do amor”.

Surra no tarado
O Corvo assistiu à reportagem dos vários casos que ocorreram no interior do transporte público em Curitiba. Mas tem muito malandro encoxando a mulherada em Foz também. Contaram para o Corvo que alguém não se deu bem nessa tarefa nefasta. Segundo a narrativa, o ônibus estava praticamente vazio, e uma moça cedeu o lugar para uma idosa. Um atrevido veio lá da frente e colou na estudante. Ele só não sabia que a moça era faixa preta e deu-lhe um merecido cacete, com o ônibus em movimento.

Portuga trocou de sexo
Corvo, contaram-me um caso muito curioso, e isso me fez entrar em contato com o senhor. Um português vizinho lá de casa resolveu mudar de sexo. Até aí tudo bem, coisa normal, e a gente precisa respeitar as opções e diferenças, não é? Mas o que deixou minha família encafifada é que ele teria dito ao meu irmão que deseja tornar-se mulher para depois converter-se em lésbica e, assim, pegar a mulherada! Dá pra entender uma coisa assim? Não é mais fácil continuar homem?
AMH (O leitor pediu para não ser identificado.)

O Corvo responde: de fato é um caso raro, mas mesmo assim deve-se respeitar as individualidades. Cada um que cuide da sua vida e faça as coisas como bem entender.

Molecada
Corvo, uma molecada passou em casa chupando cana outro dia. Até aí tudo bem, cansei de fazer isso no passado, porque não há coisa mais gostosa que uma cana docinha. Mas o problema é ver a sujeirada que fizeram na rua, jogando os bagaços para todos os lados. Parecia que um bando de catetos tinha passado por lá. Meu irmão foi falar com eles, para não sujarem a rua daquela maneira, e sabe o que aconteceu? Do meio de uns oito ou nove meninos, saiu um com uma arma na mão. Até agora não sabemos se era de verdade ou de plástico, mas precisa ver o tom de ameaça. Corvo, deu medo! E a gente precisa ficar quietinho pra não levar tiro dessa molecada.
FRF (A leitora pediu para não ser identificada.)

O Corvo responde: prezada, o negócio é não mexer com esse tipo de gente. Outro dia o Corvo passou por situação semelhante. Um menino tentou roubar o celular de uma senhora, este Corvo e outras pessoas que estavam próximas tentaram evitar, sendo que foi preciso segurar o jovem. Ele fez ameaças das mais graves e ainda por cima usou a “lei”, do tipo: “Sou menor e coisa e tal e se algo me acontecer vocês vão pagar”. Ou alguém pensa que esses meninos não agem de caso pensado? Mas como há lei, temos mais é de obedecer.