Ataques no Ceará podem estar associados a bloqueadores em presídios

Pavimentação e trânsito dominam indicações dos vereadores
26 de março de 2018
Foz Cataratas Futsal faz bonito e bate Minas Tênis Clube em casa
26 de março de 2018

Ataques no Ceará podem estar associados a bloqueadores em presídios

Uma retaliação de facções criminosas à possível instalação de bloqueadores de celulares em presídios, proposta que tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados, é a explicação que especialistas têm dado aos ataques contra órgãos públicos, ônibus e torres de telefonia no Ceará. A Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) está responsável pelas investigações. Até agora, não foram apresentadas as linhas de investigação. “A gente está vivendo uma crise sem precedentes. É inegável que as facções se potencializaram no nosso estado e hoje os nossos presídios funcionam como escritórios dos crimes. Quando do anúncio da lei dos bloqueadores, houve uma reação das facções porque elas vão ter seus interesses prejudicados. Era uma reação que a gente já esperava”, diz Valdomiro Barbosa, presidente do Sindicato dos Agentes e Servidores do Sistema Penitenciário do Estado do Ceará (Sindasp/CE). (Helena Martins – Repórter da Agência Brasil/Foto: Divulgação)

Share

GDIA