Absolvições

Na Geral
7 de dezembro de 2017
Começa sábado a programação alusiva ao Dia de Nossa Senhora de Guadalupe
7 de dezembro de 2017

Absolvições

O Corvo garante que as pessoas que foram aqui mencionadas ao serem denunciadas pelo MPF terão o mesmo tratamento em caso de absolvição, bem como serão confirmadas caso sejam condenadas. Isso ocorre e ocorrerá independentemente da operação, entre as tantas existentes e suas respectivas fases.

Na Câmara
É natural que surjam notícias tentando distorcer ou no mínimo conturbar a verdade sobre as questões judiciais que manterão ou reverterão os processos de cassação dos vereadores. Há muitos interesses envolvidos, a começar por quem considera o mandato assegurado. Depois de um delongado processo de cassação, obviamente os suplentes que se tornaram efetivos vão agarrar-se às cadeiras com unhas, dentes e o que mais for necessário.

Imbróglio
Da maneira como ocorre, com erros ou não de advogados, precipitações ou desatenções, pedidos de nulidade, formou-se um cenário muito propício para a criatividade informativa, ou “desinformativa”, em que a assessoria política fará tudo para o cidadão não entender absolutamente nada de coisa alguma. Isso é uma forma de se ganhar tempo. De qualquer forma, nada mudará no Legislativo pelo menos até março do ano que vem. Não é necessário lembrar que teremos um período de recesso pela frente.

A verdade…
…é o que está nas páginas deste jornal, pois no conteúdo há todas as versões técnicas e o que de fato é importante com relação aos pedidos de nulidade. Mas fora isso, os assuntos em relação às outras várias deliberações na Operação Pecúlio correm livremente por fora, e poderá haver absolvições, condenações, não se descartando até mesmo a volta de algumas pessoas ao nobre recinto carcerário. Estão discutindo apenas um caso, enquanto há outras várias acusações em curso.

Momento de espairecer
Mas devemos considerar que as recentes notícias servem como um ventinho de alívio, sobretudo para quem enfrentou um ano tormentoso em matéria de processos, acusações, audiências intermináveis, contradições em testemunhos, enfim, 2017 foi “o inferno astral” para muita gente. Como este Corvo escreveu ontem, uma notícia boa, em meio a tanta desgraça, ajuda a renovar as esperanças. O que não se pode é abusar, aumentando o tamanho da verdade.

Quiosques
Os vereadores autorizaram a licitação das estruturas que servem para abrigar cafés, lanchonetes, entre outros, na Avenida Brasil e Travessa Rio Branco. Tomara que o processo ganhe agilidade, porque o cheiro de urina e fezes é insuportável próximo aos quiosques. Pelo visto eles servem de banheiro público para os desabrigados e viciados que ocupam as ruas do centro da cidade.

Sanitários públicos
Foz, uma cidade que se diz turística, carece de locais para o alívio de algumas necessidades. É por isso que o povo mija na rua. Se um cidadão precisar usar um banheiro público, terá de pedir permissão para algum comerciante ou dirigir-se até a Praça Almirante Tamandaré, único local no centro da cidade que dispõe de estruturas assim. Mas se a pessoa estiver apertada e correr para lá, vai fazer nas calças, porque há um cadeado nas grades.

Ao ar livre
Não foi apenas uma vez que o Corvo viu um viciado fumando pedra de crack a céu aberto; que barbaridade! Nem na Holanda é assim, onde há espaço destinado aos usuários de drogas. Aqui o cara se acomoda com o seu amontoado de tralhas ao lado de uma escola é dá-lhe fumar os cigarrinhos do capeta. Isso não pode!

Usina
Quem passar pelo complexo Bordin, na Avenida JK, verá em exposição os equipamentos da usina de asfalto adquiridos pela prefeitura. É um maquinário tão bonito e novo que parece de brinquedo. Melhor, parece pátio de revenda de equipamentos para a finalidade pública. Vai, “Chico Du Soleil”, tire aquilo de lá e comece a usar nas ruas, do contrário seu apelido voltará a ser CB, de “Chico Buraco”.

Osmar ou Ratinho?
O duelo começou e ao que tudo indica teremos os dois disputando o Governo do Estado do Paraná. Isso se o Roberto Requião não resolver participar, porque contaram para o Corvo que vontade não lhe falta. Requião é um ser que não deve ser subestimado em eleição. Será a primeira tentativa do Ratinho e quinta ou sexta do Osmar Dias.

Os Dias
Está surgindo um boato de que há uma possibilidade de os irmãos entrarem em disputa pelo governo. Além de uma candidatura de Requião, há quem esteja empurrando Álvaro Dias para o confronto. Mas isso é pouco provável de acontecer. Não saem juntos; separados, menos ainda. Osmar estará em Foz amanhã.

Duplicação


Quem passar pela Felipe Wandscheer, na altura de onde há uma distribuição da Copel, verá que o antigo muro de uma unidade do DRM foi derrubado para dar lugar à duplicação da avenida. O novo muro inclusive foi construído. Mas há muita gente preocupada com a duplicação no trecho em que há um belo jardim e pista de caminhada. Se duplicarem a avenida até a Av. Paraná, a cidade perderá um belo jardim. Há quem acredite que a duplicação não deverá avançar tanto. É pelo menos a opinião de um urbanista que pediu para não ser identificado.

Feiurinha


Aqui entre nós, a parte duplicada da Avenida Felipe Wandscheer ficou um horror com aquela enormidade de postes no canteiro central, um bem perto do outro, sem espaço para os pedestres. É a visão do inferno, em total desacordo com o verde pelo qual a cidade é conhecida. A avenida que está sendo duplicada mereceria um visual bem mais confortável.

Escombros


Pois não bastam os vários edifícios inacabados, há esta pérola de aparente abandono bem em frente ao edifício da Fundação Cultural. É o que sobrou de um bar antes muito bem frequentado, a Cachaçaria Água Doce, onde o povo fazia fila para entrar nos sarais das quintas-feiras. Hoje só dá para ouvir o vento que passa pelas toras de madeira apodrecidas. Os vizinhos acham que o ruído do vento é bem melhor do que a música alta que atravessava a madrugada.