17 de abril de 2019
34º BIMec comemora 371 anos do Exército Brasileiro
18 de abril de 2019

 

Em primeira marcha
O ministro Alexandre de Moraes não quer saber de conversa nem papo fiado e trata do assunto fake news como pilotasse um rolo compressor. Toda a comunidade da área de comunicações, até a que apoia o “direitismo”, não aprovou a decisão de censura aos sites O Antagonista e Crusoé.

 

Crise em CDL
Os comerciantes estão desesperados porque, faz tempo, investir tornou-se uma atividade nebulosa. Quem consegue prosperar em condições assim, com o dólar brincando de pula-pula? Nem os empresários e muito menos os empregados. Eles estão competindo para saber quem perde o sono com mais frequência.

 

Alta do dólar
Mas o rabujo deve estourar no governo federal, no colo do presidente Marito. Os empresários querem saber qual a medida protetiva que o governo está preparando para defendê-los. Aqui entre nós, este Corvo também está curioso para descobrir qual será a mágica, ainda mais quando não há coelhos nas cartolas, pois eles andam ocupados com a Páscoa. Fica difícil o presidente do Paraguai dar pitacos ao Bolsonaro, do tipo: não faça intervenção na Petrobras ou em outros lugares senão o dólar sobe!

 

Desemprego
E o problema no Paraguai atinge em cheio o lado brasileiro. Isso começa pela grande quantidade de empresários que residem e possuem outros negócios no Brasil; eles descapitalizam aqui para salvar os negócios lá. Com a crise há desemprego, e isso é uma raquetada em milhares de brasileiros que atuam no mercado de CDE; eles são os primeiros a receber o cartão vermelho. No mais, todos os ramos que dependem do bom movimento do lado de lá da fronteira sentem o mesmo impacto. É bucha da mais pura!

 

Aumento de 27%
E apesar das campanhas, dos alertas, dos pedágios, da PRF vigiando e fiscalizando, aumentou em mais de um quarto o número de mortes nas estradas. Que barbaridade! Um dado é o envolvimento de muitos caminhões nos acidentes. Duas medidas reduziriam esse índice funesto: uma é a duplicação urgente das pistas, outra seria tirar de circulação os caminhões sem condições de trafegar.

 

Nas aduanas…
Polícia Rodoviária Federal e Foztrans deram de fiscalizar as condições de rodagem dos caminhões carregados que ingressam em território brasileiro via Argentina. Quase 40 autos foram emitidos; e veículos, barrados. O péssimo estado das carrocerias, pneus carecas, peças despencando da lataria e freios pela hora da morte são sérios concorrentes para desfechos tristes, ceifando a vida de quem cuida dos veículos. Sem contar quem derrama óleo pela pista e faz muita gente descer em barranco, já que acostamento é coisa rara, mesmo com a roubalheira nos pedágios.

 

Operação Saúva
Que barbaridade, os grupos criminosos mantinham a PRF sob monitoramento? Inverteram os papéis, vigiando a movimentação nos postos de controle nas estradas. Era o que faltava. A investigação prendeu graúdos em várias cidades, inclusive uma figurinha rara da fronteira.

 

E vem bomba!
Passado a feriado da Páscoa, deverão revelar um fato estonteante envolvendo uma investigação muito conhecida na cidade. Disseram para o Corvo que alguém deve entregar documentos contundentes às autoridades. Vão abastecer a caldeira! Isso está longe de acabar!

 

Horários ampliados
E como estamos na Semana Santa, o Parque Nacional do Iguaçu anunciou que terá horários prolongados. A iniciativa é seguida por vários estabelecimentos comerciais que pretendem faturar um pouco mais com o feriado, uma das datas mais tradicionais em matéria de visitação em Foz. Houve épocas em que todo mundo só tinha olhos para um período, a Semana Santa! Hoje isso mudou; feriados nacionais prolongados mantêm média de visitação parelha.

 

Peixe vivo
Depois da matéria do Fantástico sobre os fake fishes pescados há mais tempo no gelo que mamute pré-histórico, o consumidor está ressabiado em revirar as gôndolas dos supermercados. Como sabemos, qualidade do peixe é medida pelas guelras e olhos, coisa muito difícil de aferir quando o bicho está congelado. Sendo assim, as feiras de peixes vivos devem fazer o maior sucesso neste ano. Em Foz, os consumidores estão ávidos. E pelo o que o Corvo pesquisou, haverá peixe para atender à demanda.

 

Bacalhau
Com o preço das iguarias nas alturas, há quem improvise e se dê muito bem no trato de secar e salgar os pescados. Faz tempo, uma vizinha do Corvo se dedica a fazer “bacalhau”. E ela faz isso muito bem com piaparas e outras espécies das nossas águas. Não é lá uma Brastemp, se comparado ao que vem da Noruega, mas fica muito saboroso e não faz feio. Nesta época do ano há mais peixe pendurado no varal do que roupas. Dona Jussara limpa, retira o grosso da espinha, salga, deixa no sereno, e o bicho fica show de bola. O Corvo gosta da piapara do jeito que sai da água, mas salgada ela fica com camadas de carne mais avantajada. Na semana, o Corvo segue com as receitas.

 

Inês e os cemitérios
Dona Inês da Saúde meteu o dedinho num assunto que incomoda muita gente, ou seja, os administradores de cemitérios saem da zona de conforto toda vez que algum político resolve pedir informações acerca do “negócio mortuário”.

 

Dá-lhe Stumpf
O engenheiro Edson Stumpf, ex-presidente do Fozhabita e uma das pessoas que mais conhecem do ramo de construções populares em Foz, entrou na briga pela não demolição do Conjunto Duque de Caxias. Aliás, ele foi um dos primeiros a levantar dúvidas sobre a necessidade de derrubada do conjunto, e isso lá no início, quando ainda havia tempo de contornar a situação sem tantos traumas para as famílias. Mesmo depois da hecatombe causada pela depredação, segundo informações, ainda fica mais em conta manter os blocos no lugar de derrubá-los, carregar entulho e construir novas habitações.

 

Quasímodo
Seu Corvo, chorei a tarde toda ao saber do incêndio que praticamente destruiu Notre-Dame, uma catedral maravilhosa, ícone medieval e do catolicismo. Lembrei os filmes nos tempos de criança, tanto que não sosseguei até conhecer aquela maravilha de perto. Que lindos adornos, que magníficos vitrais! O órgão é algo indescritível! Como pôde acontecer algo tão devastador num patrimônio daqueles? No momento em que a torre caiu em chamas, senti uma pontada no coração. E você tem mesmo razão, fogo e água ninguém segura, seja em país pobre e descuidado como o Brasil ou na Europa. Viu que havia uma porção de denúncias quanto à necessidade de obras em Notre-Dame?
Maria do Rosário Antunes

O Corvo responde: exato, muitos especialistas alertavam sobre as possibilidades de desmoronamento, mas um incêndio daquelas proporções ninguém imaginava. O que mais deixou todo mundo para baixo foi o comprometimento dos vitrais e do órgão, peças originais de centenas de anos. Mas o que não faltam são projetos para a reconstrução, e isso ocorrerá em breve, com a devida restauração das partes de alvenaria.

 

Campanha da dengue
O Corvo gostou muito das peças gráficas e dos filmes publicitários que envolvem a nova campanha de combate à dengue, realizada pela prefeitura. A alusão à necessidade de “lutar” e ao nocaute que o mosquito pode causar, até em quem possui uma fortaleza de saúde, mexe com a cabeça das pessoas. Vencer a dengue não é um combate dos mais fáceis, e ele durará muito mais que 12 rounds. Se a população não se engajar, o jeb de direita do mosquito será certeiro, e muita gente beijará a lona.

 

População de cães e gatos
O CCZ realizará mais uma contagem dos animais espalhados pelas ruas de Foz. Taí uma tarefa das mais complicadas, porque muitos bichos são abandonados em período de gestação, como é o caso das gatas. Levando em conta o rápido período de espera e a quantidade de filhotes, essa população no mínimo triplica. E vai aqui um alerta: ONGs de proteção não estão vencendo abrigar tantos bichos, até porque alguns dedicados protetores estão simplesmente desistindo das atividades, pois não encontram recursos para as missões.

 

Coelhos da Páscoa
Atenção papais churrasqueiros de plantão, não inventem, por favor, de assar coelhos no Domingo de Páscoa! Deixem as fofuras correrem pela casa, alegrando a criançada. A coluna Turminha Pet de ontem fez a alegria dos leitores, uma evidência de que muita gente está criando coelhos no lugar de cães e gatos. Mas acreditem, até os pobres coitados estão sendo abandonados. Como são predados, desaparecem com facilidade. Também, com a quantidades de cães e gatos famintos!

 

Salário mínimo
Recomeça a encrenca e as virtuais perguntas: alguém consegue viver, atravessar um mês se depender do salário mínimo do Brasil? O pior é que há milhões “sobrevivendo” com bem menos. O brasileiro é resistente, lutador, encara o que vem pela frente: um mínimo de R$ 1.040 em 2020! E os economistas acreditam que, mesmo atendendo à LDO, o valor causará um rombo nas contas públicas. Que dificuldades, hein?

Share

GDIA