6 de dezembro de 2018
Portobello Shop + Arquitetura
7 de dezembro de 2018

 

Em Brasília
Este Corvo sempre teve muito interesse em saber como um novo deputado é recebido em Brasília. A última vez que isso aconteceu, faz tanto tempo que provavelmente as coisas tenham mudado. E também não vale saber pelo Giacobo, porque ele é mais antigo como parlamentar do que garçom da Santa Ceia. O ingresso de Vermelho na Câmara Federal vai matar essa nossa curiosidade, até porque ele faz questão de registrar tudo.

 

Reuniões
Desde que foi eleito, Vermelho já está por perder a conta de quantas vezes viajou a Brasília atendendo aos “novos” compromissos políticos, afinal de contas a agenda de um deputado federal eleito é muito atribulada. Desde o início da semana, Vermelho tem participado de seguidas reuniões. Na terça-feira houve um encontro com a bancada do PSD, um passo importante para definir os rumos do partido na próxima legislatura. Muitos temas de logística parlamentar são fundamentados em reuniões assim. Devemos ter em mente que se inicia toda uma negociação pela escolha da mesa, o apoio ao Executivo e a pauta que herdarão no Congresso Nacional.

 

Contato
Em certa ocasião, um ex-deputado disse ao Corvo que chegar ao Congresso pela primeira vez é uma experiência única; comparativamente — para os políticos — seria como pisar em Marte e fazer contato com os marcianos. Mas será que é isso tudo? Para o Vermelho parece que não é, pois ele se sente em casa; disse que está sendo muito bem recebido, a exemplo do encontro que manteve com o atual homem forte do governo, o ministro extraordinário da Transição, Onyx Lorenzoni — na verdade, o mais importante porta-voz do presidente eleito. Pela foto dá para ver a forma como Vermelho chega, “chegando”.

 

O clero
O Congresso é arisco para quem chega fazendo firula, marola… Um passo errado, o deputado ou senador entra na geladeira. Uma vez lá, é bem difícil sair. É como ir ao Lost. Qualquer recém-chegado em Brasília precisa saber do percurso que vai fazer — e um passo em falso, cai no limbo, é assim que convencionam o “baixo clero”. Bom, Giacobo nunca teve a mínima disposição para as camadas inferiores, tanto que tem destaque na administração da Câmara. Vermelho deve seguir pelo mesmo caminho. Isso é possível notar pelo modo como ele se mexe no Planalto.

 

Captação
Foz precisa inserir-se de vez no mercado de grandes eventos, feiras e convenções. A iniciativa privada está bem afiada, com salas e salões, o que falta é o governo investir em infraestrutura. Para shows, por exemplo, ainda não há um espaço específico, embora existam pedreiras em excelentes condições em vários locais.

 

Novos atrativos
Além de melhorias, este Corvo ficou sabendo que haverá um novo equipamento de encher os olhos. O anúncio pode acontecer na semana que vem. Ao que consta, os contratos já foram até assinados.

 

Papai Noel
Segundo a programação, ele desembarca em Foz nesta sexta-feira, na Praça da Paz. Isso se houver céu estrelado, para o bom velhinho mostrar como funciona a sua “fábrica mágica”. Falaram em “fábrica”, e já havia gente preparando-se para dormir na fila dos supostos empregos. Na fábrica do Papai Noel só trabalham os duendes verdes e de orelhas pontudas.

 

Dr. Rubens
Mais do que justa a homenagem ao advogado, pastor e ex-vereador Rubens Alexandre da Silva, benemérito de intensas atividades em prol da sociedade nos últimos 30 ou 40 anos. Rubens foi uma das cabeças pensantes que redigiram a “constituição iguaçuense de 1990”. Viva o Rubens!

 

Motor Show
Neste final de semana, Foz do Iguaçu receberá clássicos do automobilismo, veículos originalíssimos, muitos de “placa preta”, em que todos os aspectos foram preservados. O Motor Show é um evento de respeito, ao contrário do que já fizeram alguns colecionadores no passado. Uma coisa é veículo antigo, outra é carro velho.

 

…esquerda… direita…
Disseram para o Corvo que os alunos que permanecerem no Bartolomeu Mitre vestirão farda a partir do ano que vem, porque a unidade terá novo conceito. Os que não estiverem de acordo poderão procurar vagas em outros locais públicos. Mas a face interessante desta informação dá conta de que uma maioria esmagadora prefere ficar, até porque as vagas em colégios militares são disputadíssimas.

 

Creche
A prefeitura começou a obra do CMEI do Jardim Buenos Aires. Os caminhões e tratores estão a toda, com a área quase planada. O lugar é simplesmente lindo, cercado de verde, com fácil acesso.

 

Ratinho e Cida
A governadora e o eleito estarão em Foz hoje participando de um evento. Até o final da tarde de ontem, a presença do Ratinho estava confirmada. Ele deve dar um giro pela cidade, para vistoriar algumas obras em andamento.

 

Habeas corpus
Apostas de boteco: Lula conseguirá ou não ser feliz com o julgamento de seu habeas corpus? A até o fechamento desta coluna, o Corvo não sabia de um resultado. Mas na segunda turma temos o venerável ministro Gilmar Mendes.

 

Sem bandeira 2
Se a guerra com os aplicativos é quase uma página virada, porque os táxis não ganharam uma, iriam ainda aplicar a modalidade “bandeira 2” em dezembro? Difícil. Essa queda de braço está causando muito desânimo do setor dos táxis. Muita gente está pensando em desistir.

 

Horário reduzido
O Corvo soube de alcova que a Prefeitura de Foz não programará as famosas férias de janeiro que os servidores adoram gozar. Haverá, ao que consta, um horário reduzido, das 8h às 14h. Felizmente a administração da cidade quer ser reconhecida como “turística”, pois vai funcionar na temporada de verão. Seria como o restaurante fechar para o almoço.

 

Uns sim, outros não
No mais é uma medida muito justa, até porque muitos servidores trabalham enquanto outros curtem férias. A Fundação Cultural, por exemplo, precisa estar de plantão para programar o carnaval.

 

Tem novidade?
Os foliões querem saber o que haverá de novo na Folia de Momo. Como a Fundação Cultural acumula crédito diante das ações que vem organizando, é natural que desperte esse interesse pela maior festa popular brasileira. Como diria o saudoso Dudu, ex-presidente da entidade, os microfones são todos seus, Juca Rodrigues.

 

Milton Rodrigues
Prezado Corvo, senti-me sensibilizado com a nota que publicaste sobre o nosso querido Milton. Lembraste de uma situação que poucos conhecem, essa verve do empresário em promover bons produtos imobiliários pensando em qualidade de vida. Quando cheguei a Foz comprei o meu lote graças à disposição do senhor Milton. Que Deus o receba e conforte sua família!
Gilson Nantes

O Corvo responde: o Milton Rodrigues foi um grande cara, homem inteligente, dinâmico, sempre ativo e com olhos no futuro da cidade. Foz morava em seu coração, apesar de ele possuir negócios em outras cidades.

 

 

Família Rorato
Os irmãos André, Albino e Adriano Rorato, da família pioneira iguaçuense, estão comemorando os 30 anos do Restaurante Corinthiano. O local atende muito bem integrantes de todas as torcidas. O Corvo já comeu a deliciosa feijoada servida aos sábados. Sucesso a todos da família Rorato, que há quase um século vem ajudando a construir a nossa querida Foz do Iguaçu.

 

 

Share

GDIA