14 de novembro de 2018
14 de novembro de 2018

A tragédia anunciada
A cidade já levou um baita susto na semana retrasada, com um caminhão perdendo o freio e se esborrachando na traseira de outro, na Avenida das Cataratas, no bairro Boicy. Na semana passada, uma carreta tombou bem próximo do local, no trecho da Avenida Paraná onde capotamento de caminhões parece ser uma coisa normal. Enfim, não foram poucos os casos em que caminhões supercarregados de grãos, ou outros produtos, causam acidentes num dos cruzamentos mais movimentados da cidade, por onde passam os visitantes, turistas e moradores. Um perímetro com postos de gasolina na ponta do trecho. A inércia política deveria ser responsabilizada, porque a tal perimetral nunca sai do papel, e é por lá onde os caminhões deveriam trafegar faz muito tempo.

 

Contorno
Na última vez que uma carreta tombou na Avenida Paraná, o Corvo foi investigar, e a conclusão não foi nada boa: caminhões acabam tombando porque fazem a curva desembestados, em razão de falha nos freios; é quando desgovernam e o cavalo não consegue conter a carga. Um veículo de 45 toneladas, sem freios, não é diferente de uma locomotiva fora dos trilhos; é como um tanque de guerra passando em cima de tudo e todos.

 

Horror e destruição
As imagens são inacreditáveis, e todos os cidadãos de Foz que passaram pelo local sentiram um frio na espinha, como se fizessem uma roleta-russa automobilística. O Corvo, inclusive, passou pelo local minutos antes. Há quem pense em interditar aquele trecho, pois é de altíssimo risco. Mas os caminhões, como vão sair da cidade?

 

Confusão
Os informes emitidos pelo Corpo de Bombeiros deram um nó na cabeça dos veículos de comunicação, mas não podemos considerar isso uma falha, afinal de contas, diante da gravidade do acidente, seria muito difícil concluir o número de vítimas. Pela violência, a carreta poderia acabar em cima de transeuntes, ciclistas… e, pelo incêndio, com tudo carbonizado, ficou muito complicado fazer uma avaliação.

 

Erros
Em razão dessa pressão para saber das possíveis vítimas, os veículos fecharam com um número e, no fim, ocorreu um fenômeno: o número de vítimas diminuiu de três para um, quando em geral aumenta. Revendo as imagens, podemos considerar que houve um milagre.

 

Mureta
Olhando a trajetória do caminhão, a mureta que separa as pistas serviu como redutor de velocidade. Se a carreta seguisse um pouco mais adiante, acertaria um dos postos de gasolina, o supermercado, e aí não saberíamos avaliar o tamanho do estrago.

 

Proposta orçamentária
Corvo, viu quanto dinheiro a prefeitura vai gastar? Será que não poderiam gastar menos? Tanto dinheiro assim para Educação, Obras… Viu a grana da Saúde? “Pelamordedeus.”
Gustavo Heitor L. Rocha

O Corvo responde: prezado, o dinheiro que vão gastar é o seu, e dinheiro arrecadado em impostos deve ser aplicado em benefício dos contribuintes. Não dá para simplesmente “não gastar”; o caso é saber gastar esses R$ 1,1 bilhão. Entre outras, é por isso que discutem o orçamento e suas prioridades.

 

R$ 290 milhões
O valor acima é o orçamento para a Saúde! Saberemos que a situação melhorou no dia em que gastarem isso com a Educação, que hoje está na casa dos R$ 224 milhões. Povo educado e consciente, com melhores condições de vida, menos desigualdades, contrai menos doenças, sofre menos acidentes. Aí se poderá usar o dinheiro em outras coisas, como cultura e desenvolvimento. Um dia chegaremos lá.

 

Black Friday
O dia das promoções é sexta-feira, depois do feriado, mas há muitos comerciantes embarcando na onda da free week, com preços mais em conta a semana toda. Muitas lojas abrirão normalmente amanhã.

 

República
Será que o Marechal Deodoro teve a capacidade de imaginar no que viraria a República? Bom, se não conseguimos prever o que será da vida do brasileiro no ano que vem, o que dizer daqui a cem anos? Ao derrotarem a monarquia, jogaram com a sorte, e o Brasil vem sobrevivendo na base do solavanco. Tomara que as coisas aclarem para o lado do parlamentarismo. O Corvo pensa que poderíamos pelo menos experimentar o modelo.

 

Estradas lotadas
E a expectativa de boa visitação é grande, sobretudo no comércio paraguaio, pois é neste feriado que as pessoas começam a pensar nas compras de Natal. Nem todo mundo tem esse poder; o Corvo, por exemplo, só vai pensar nisso no dia 24 de dezembro. Feriado na quinta-feira é satisfação garantida parta hoteleiros e comerciantes.

 

Audiências
O que será que deu na cabeça dos presidentes da Câmara e Senado para agendar a visita do presidente eleito Bolsonaro? Tá certo o Messias, não há razão para muita pompa nem circunstância, o negócio é trabalhar. “Com eles, eu falo ao telefone o tempo todo, não preciso audiência”, disse o presidente.

 

Estilão
Quem conhece a história, ou viveu um resquício do período militar, diz que o Bolsonaro lembra muito o General Figueiredo, sem papas na língua, sem frescura nem jogo de cintura. Embora o jeito mandão, Figueiredo tinha bom carisma com a população, pois encarava filas em banco, visitava os amigos e andava pelos quiosques de praia, coisa que o Bolsonaro parece que adora.

 

Na economia
Joaquim Levy, quem diria? O homem foi ministro da Dilma, mas como é o escolhido pelo guru, o presidente eleito disse que engole, “mas está na cota de responsabilidade do Paulo Guedes”. Quer dizer, se Levy enrolar-se no BNDES, a culpa não será do presidente eleito.

 

R$ 62 milhões…
…é o número de brasileiros inadimplentes, portanto sem crédito para as compras de Natal. 3% do crédito está diretamente afetado, dizem os economistas. Em Foz a situação também não é das melhores, embora muitos estejam tentando parcelar as contas na base de acordo, visando à limpeza de nome.

 

Turminha Pet
Corvo, acho uma graça o espaço que vocês dedicam aos animais. A Coluninha Pet está muito bacana. Tenho um bicho de estimação, um macaco; será que eu posso publicar a foto dele?
LMD (O leitor pediu para não ter o nome divulgado, por razões óbvias.)

O Corvo responde: amigo, para enviar fotos dos animais de estimação, o e-mail é: turminhapet@gazetanews.inf.br. Agora, se o seu bicho é um animal protegido pelas leis ambientais, é melhor devolvê-lo à natureza ou aos órgãos que cuidam disso. A foto do seu macaco em nosso jornal é a denúncia perfeita!

 

Mudança
Corvo, moro bem perto de onde o jornal está instalando a sede. Será que posso passar lá para visitar? Penso que é melhor mesmo vocês saírem do centro, porque é ruim de chegar com o trânsito. Parabéns pela novidade!
Manuel da Brascon

O Corvo responde: amigo, atualmente o Gazeta Diário ocupa um edifício de três andares no centro de Foz. De uns tempos para cá, boa parte das pessoas passou a trabalhar em casa, e é muito complicada a logística com o setor gráfico, apesar da internet. No mais, o jornal pode muito bem funcionar em qualquer localidade. A nova sede é compacta e, ao mesmo tempo, muito confortável, sem problemas com o estacionamento inclusive. Depois de tudo pronto, o Corvo publicará umas fotos!

 

Share

GDIA