28 de setembro de 2018
28 de setembro de 2018

Servidor
Pois veja, seu Corvo, algumas pessoas parecem teimar em desafiar a lei e seguem nessa vida de corrupção e esperteza tentando fraudar licitações. Que coisa isso! Será que já não basta os bons salários que recebem e que são pagos por nós? Esse caso de prenderem um servidor em Foz e que trabalhava no setor disciplinar da prefeitura parece uma piada de mau gosto. É verdade isso, Corvo? Como alguém com um histórico assim não é afastado das funções?
Antônia Hellen

O Corvo responde: prezada leitora, é verdade sim. Mas como este Corvo escreveu ontem, avisos não faltaram. A prefeitura se defende ao informar que o servidor já estava nas funções antes de o novo governo instalar-se. Mas agora, depois da reincidência, não haverá mais espaço para ele. Deve enfrentar sim um processo disciplinar e corre o risco de exoneração.

 

Eleições
Como o Corvo tem escrito todos os dias, desde que o processo eleitoral se iniciou, as atenções estão voltadas para as pesquisas. Na noite de quarta-feira, o IBOPE divulgou mais um levantamento, desta vez contratado pela Federação das Indústrias. O instituto publicou uma nova pesquisa no espaço de dois dias. Quem acompanhou os números notará que tanto Bolsonaro como Haddad oscilaram em um ponto negativo. É o reflexo da trituração de ossos. Estão apanhando mais que cachorro em dia de chuva; mas, aqui entre nós, sabiam que enfrentariam uma pauleira assim. Faz parte do processo; ossos do ofício. Perto de entrar na última semana de campanha, parece inevitável um segundo turno entre os candidatos da direita e esquerda. O Brasil viverá um momento único nos últimos 40 anos. Isso nos faz até lembrar os arranca-rabos entre Arena e MDB. Aliás, era só a Arena que ganhava, né?

 

Todos caem
Mas um dado é bem nítido se o assunto é pesquisa: não são apenas os candidatos na ponta que caem. Todos estão descendo a ladeira, inclusive quem desce o cacete. Vai ver a pilha do eleitor está acabando, por causa do desgaste na área política.

 

Verde e amarelo
Corvo, estou seriamente pensando em ir à manifestação de domingo. E digo, não vou fazer isso porque sou a favor do Bolsonaro nem pelo fato de não gostar do PT, irei porque sou brasileira e quero ver o meu país mudar e melhorar. O Bolsonaro que não se engane, pois se eleito e se daqui uns dois anos não fizer a lição de casa, terá toda essa massa contra ele! O mesmo ocorrerá com Haddad ou quem receber a faixa de presidente. O brasileiro não pode perder, de jeito algum, essa sua recente conquista, de mostrar que possui brio e que quer mudar esse estado lastimável em que a nossa política se encontra.
Jandira Gouveia Amaral (86 anos)

O Corvo responde: prezada, a senhora matou a pau em seu comentário! É assim mesmo que deve ser. Devemos manifestar o que esperamos dos nossos políticos. Dividimo-nos, brigamos, muitas vezes dentro de casa, acreditando em um e outro, depois passam os anos e ninguém faz o que deveria. Não devemos de modo algum esmorecer. Já pagamos um preço muito alto em acreditar em gente que no fim nos crava uma faca nas costas.

 

Candidatos de Foz
Corvo, praticamente chegamos à semana das eleições. Tomara que Foz consiga eleger seus representantes, porque é uma cidade que precisa muito de representatividade. E outra coisa, apesar do grande número de candidatos, coisa que no fim prejudica, o eleitor não pode de jeito algum dizer que “falta opção”. Bora votar, seu Corvo!
Elias Torres

O Corvo responde: Foz precisa amadurecer muito quando o assunto é política. Entramos e saímos de eleições assim, com receio e dúvidas, por problemas causados pelos próprios políticos. Vai ver eles precisam conversar um pouco mais entre eles mesmos, os partidos. Essas encrencas provincianas precisam acabar. Quem sabe desta vez não elegemos algumas pessoas e elas mudem o discurso no sentido de unir a cidade?

 

Muitos partidos
Corvo, não lembro qual o candidato, mas ouvi alguém dizer nos programas eleitorais que hoje temos mais de 40 partidos e outros 70 estão em vias de aprovação. Que loucura é essa? Olhe para as grandes nações, nelas há dois, três, quatro partidos no máximo! Temos de lutar para melhorar isso, Corvo.
Randal Vieira Lemos

O Corvo responde: prezado, quem fez essa observação foi o candidato Meirelles. E isso é verdade. Se não cuidarmos, teremos mais partidos políticos no Brasil do que deuses na Índia. E olha que lá há algo em torno de cinco milhões de deuses. Será que alguém sabe dizer quais são todas essas divindades? Difícil porque não há no Brasil uma pessoa que saiba dizer qual a sopa de letrinhas partidárias.

 

Ziraldo
O cartunista é um amigo de Foz, por isso tantos apelos de solidariedade. Mas o Corvo deu um jeito de falar com familiares, e o quadro foi dos mais complicados. Foi um enorme susto! Ele teve um AVC hemorrágico, e não fosse o fato de ser socorrido prontamente pela esposa, Márcia, não sobreviveria. Ziraldo é um homem de 85 anos e com um histórico de saúde que inspira muitos cuidados; a situação até o fechamento desta coluna era “estável”, mas ainda no CTI do Pró-Cardíaco, em Botafogo, Rio. Este Corvo agradece uma porção de manifestações e as transmitirá ao Ziraldo tão logo melhore. Ficaremos na torcida para que isso aconteça muito em breve.

 

Zélio
O irmão do Ziraldo, Zélio Alves Pinto, disse, no final da tarde de ontem, que as estimativas são muito otimistas. Houve um quadro de melhora, mas dada a gravidade do AVC ainda era muito cedo para deixar a preocupação de lado.

 

Seriedade
O Corvo não é de retrucar, tampouco causar polêmica com o que escreve. Apesar da irreverência, a coluna é muito séria, sempre submetida ao rigor editorial e jurídico, dependendo dos casos. Fazemos o jornalismo como se deve. Uma pessoa informou que a coluna e um dos membros do conselho editorial deste jornal foram atacados por um semanário, com direito a chamada de capa. Que luxo! Pelo que sabemos, nunca houve um motivo de nossa parte para receber tanta atenção e elogios. Esta coluna critica sim o jornalismo marrom, o sensacionalismo na imprensa e o que agora denominam como fake news, uma preocupação inclusive do Judiciário. O mundo, enfim, denuncia as notícias falsas, quando tentam com a mentira intimidar a verdade. Agora, se as pessoas que praticam esse tipo de jornalismo passaram a se preocupar, não é um problema nosso.

Bonato
Nosso colega foi duramente agredido, e sem o direito de manifestação; pior, isso ocorreu duplamente num espaço de apenas 15 dias. Ontem este Corvo conversou com ele, e a resposta foi curta: “Vou tratar disso na Justiça, onde há reparação”. E é assim que a vida segue o seu curso. Olhamos muito bem para o que fazemos e zelamos pelo nome, por meio da conduta. O leitor sabe avaliar bem como isso acontece. Nossos concorrentes jamais foram atacados gratuitamente. Leia-se concorrentes, jornais de expressão, como a Folha de São Paulo, Estadão, O Globo. Nosso jornal circula em Foz, muitos exemplares, a perder de vista, se comparados aos grandes jornais brasileiros. Mesmo assim os respeitamos muito, alguns são parceiros por meio de agência de notícias e troca de informações, fotografias, entre outros ofícios do bom relacionamento.

 

Astronomia
Corvo, minha filha se revelou uma apaixonada pela astronomia, e vejo como algo muito importante o fato dos jovens olharem para o céu e as estrelas, pois o nosso destino está lá. Infelizmente não tratamos o nosso “planetinha” como deveria, e a saída é começar a procurar outro lugar para garantir a existência da humanidade. Meus filhos, aliás, são muito estudiosos, e vejo que um dia irão trabalhar em alguma agência espacial. Pena que cortaram as verbas.
Verusk N. Natali

O Corvo responde: as crianças, de fato, adoram temas assim, por isso o IV Congresso de Astronomia do Colégio Dinâmica faz tanto sucesso. Sua observação é correta. Nos Estados Unidos é comum jovens procurarem a NASA para os cursos oferecidos lá. A saída é mesmo a exploração espacial, sobretudo quando as autoridades do planeta não se entendem para tratar das questões inerentes à mãe natureza.

 

Profissionalizantes
Corvo, bacana saber que haverá quase mil vagas em cursos profissionalizantes, porque está difícil. Já tentou achar um pedreiro, um assentador de azulejos, um encanador…, Corvo? Esses dias precisei de um eletricista e fique dois dias sem luz, porque os profissionais aos quais telefonei estavam todos ocupados e “não tinham agenda”. Um deles disse: “Só posso estar passando na sua casa a semana que vem”. E como a gente faz? Complicado isso.
Rubens Fogaça

O Corvo responde: o setor da construção civil ainda se mantém bem ativo em Foz, apesar da crise, e sendo assim muitos profissionais estão empregados. Os novos cursos vão ajudar bastante no atendimento aos serviços domésticos. Mas também tem muito profissional queixando-se de que está parado e de falta de oportunidade de trabalho. Vai ver o setor está precisando de uma sacudida em matéria de oferta e procura. Acontece.

 

Share

GDIA