27 de setembro de 2018
27 de setembro de 2018

 

Pedágios
A corda começou a apertar o pescoço dos concessionários. Há várias investigações em curso, a exemplo do que aconteceu ontem, com a prisão de 16 pessoas, entre elas o seu Pepe Richa e o primo dele. Mas, segundo se espera, outras prisões podem ocorrer.

 

Sufoco
A soltura de Beto acirrou os ânimos pelas bandas do Ministério Público. Os promotores não engoliram a decisão do ministro Gilmar Mendes e quando ela foi expedida já havia ares de respostas. Se o ex-governador acreditava que esqueceriam o tema até as eleições, enganou-se. A vida voltou a ser um inferno.

 

Em Foz
Imagina a polícia entrando na Procuradoria do Município, juntando documentos, computadores e prendendo um servidor? Foi um auê; houve quem se beliscasse, para saber se não era outro pesadelo dos tempos da Pecúlio. O pessoal de carreira não via coisa semelhante desde os tempos do seu Reni.

 

Velho conhecido
Para o leitor entender um pouco melhor o que houve, é necessário voltar no tempo: quando Reni foi eleito, um mancebo ascendeu aos mais altos escalões, porque, segundo o ex-prefeito, era muito habilidoso no trato político. A pessoinha deitava e rolava nos gabinetes e dava ordens a todos. Era considerado “o poderoso”. Quando ele chegava a um boteco, as pessoas se cutucavam e até faziam silêncio.

 

Safadeza
O Corvo conhece bem a notória figura, porque o funcionário público em questão foi quem ajudou a quebrar o extinto jornal A Gazeta do Iguaçu, quando pertencia ao empresário Ermínio Gatti. Foi ele, inclusive, quem “ajeitou” a “venda” do matutino para umas pessoas de Cascavel. Na época ele já aprontava às pencas, fazendo rolos de ônibus, entre outras coisas que estão para estourar.

 

Boquinha
E ele foi parar no jornal justamente porque havia sido afastado da prefeitura por um ex-prefeito. A desconfiança era de acertos por fora para baixar o valor das dívidas. O cara possui um currículo medonho de envolvimentos com supostas coisas erradas. Não demorou, já mandava em todas as empresas do seu Gatti — inclusive tinha a chave do cofre. Que barbaridade!

 

Bom de lábia
Mesmo com o nome na lista da Pecúlio, o rapaz se segurou na prefeitura. Pertencia à Secretaria de Finanças e, como não o queriam por lá nem pintado de ouro, arranjou uma boquinha na Procuradoria do Município. Foi trabalhar justamente no setor que cuida das “questões disciplinares”, imagina? Quando as pessoas souberam da transferência, meteram a boca no trombone, mas o pimpolho continuou no mesmo lugar.

 

Treta no transporte escolar
O rapaz, pelo visto, já estava envolvido numa porção de encrencas, tanto que foi fuzilado praticamente na porta de casa. Um motoqueiro descarregou uma pistola e acertou apenas um tiro. Por sorte o bandido era ruim de mira.

 

Estopim
E como em tudo, chega uma hora que a bomba explode. E a pendenga, que não é pequena, envolve rolo no transporte escolar regional, fraudes, entre outras, pois “o figura” continuou a ser investigado — e, claro, só ele que não sabia. Danou-se. A prisão é preventiva.

 

Bafão bolsonarista
O Corvo apurou uma situação conflitante entre os simpatizantes do capitão Jair Bolsonaro em Foz do Iguaçu. Pelo que deu para entender, há uma espécie de “estranho no ninho”. O Corvo explica: em Foz, há uma legião de apoiadores “da mudança”; essas pessoas se posicionaram ao longo de cada um dos capítulos que abalaram o setor público, desde as fases da Lava Jato até o impeachment de Dilma Rousseff. Organizaram inclusive enormes manifestações de verde e amarelo. Na prisão de Lula, então, houve grande buzinaço, panelaço e até queima de fogos. O grupo é bem numeroso, formado por profissionais liberais, empresários… e foi ganhando a adesão de milhares nos últimos meses. Claro, se alinharam às propostas de Bolsonaro.

 

Essência
Pelo que entendemos, as raízes dessa gente não são apenas político-partidárias, mas as reivindicações foram encaixando-se como uma luva nas propostas de Bolsonaro. Ao longo dos anos, investiram pesado em materiais gráficos, bandeiras, adesivos e vídeos, como uma peça que foi recentemente produzida com o auxílio até de drones, o que seria uma forma de mostrar a dimensão dos envolvimentos organizados. Pois bem, um candidato teria se aproveitado do material, e isso revoltou os coordenadores locais, a começar pelo Marcelo Ângeli. Eles não gostaram nadinha do que seria uma apropriação — pior, sem qualquer pedido de autorização. O assunto foi parar em redes sociais. Marcelo entrou no bate-papo e questionou o uso das imagens.

 

Passeata
E os coordenadores da campanha de Bolsonaro organizam uma grande passeata neste dia 30, às 9 horas. A concentração será na Praça do Mitre, com caminhada prevista até a Praça da Paz, onde acontece a feirinha. Os vendedores de pastéis estão com a mão na massa, literalmente. Entre os ilustres participantes, o amigo Paulo Martins. A estimativa é que o ato termine até o meio-dia.

 

Eventos
A semana que vem será, provavelmente, a mais agitada do ano. Boa parte dos candidatos programou as manifestações entre 1º e 7 de outubro. É quando Foz estará mais colorida que a Bahia, como este Corvo já escreveu.

 

Cabos eleitorais
Ao contrário das eleições anteriores, quando o povo defendia algum por um ou dois meses espalhando panfletos e balançando bandeiras pela cidade, o recrutamento começou para valer nesses dias. A situação está tão preta em matéria de dinheiro que os candidatos pretendem arranjar ajuda na base do picolé e marmita.

 

Primeiros socorros
Soldados do Corpo de Bombeiros deram aula de primeiros socorros para os funcionários da Câmara. É algo de fato providencial em caso de algum vereador sofrer um piripaque, sobretudo após a abertura das urnas no domingo de eleições.

 

Chico e as máquinas
Bom, agora parece que o assunto da compra das máquinas está solucionado. Chico que se prepare, porque se depois de tudo isso ainda houver um buraquinho que seja no asfalto da cidade, o povo não vai ter dó.

 

Araras
Pois então, hein Corvo, que tal essa modalidade de “Golpe da Arara”? Será que não poderiam arranjar outro bicho para simbolizar a parada? Já pensou se fosse um Corvo?
Josué Márcio

O Corvo responde: sem perigo, caro leitor, o Corvo não corre esse risco de ser usado como nome de operação. Mas o que mais há em área de fronteira é isto, sacanas inventando um jeito de lesar pessoas sérias e de certa forma inocentes. Imagine: uma empresa aparece no seu negócio, quer comprar, vender etc… Possui um cadastro limpo, sem antecedentes, nome sujo e tal. Fica difícil alguém não cair. Por isso o ideal é estar atento a tudo e a todos.

 

Share

GDIA