SEIL define empresa que vai concluir obras dos dois Centros de Atendimento ao Turista
31 de agosto de 2018
31 de agosto de 2018

Geraldo Alckmin
Ele foi nitidamente mais bem preparado para encarar a dupla de leões na jaula, no caso Willian Bonner e Renata Vasconcelos. Soube livrar-se da prensa e das insistentes marteladas, algumas equivocadas, como foi o caso de trechos do Rodoanel Mário Covas em épocas que antecederam sua gestão. Alckmin respondeu com o peso de São Paulo, um estado onde tudo acontece e os números são favoráveis. Se ele foi esse bom governador que diz, terá em seu favor o maior colégio eleitoral do país. São Paulo possui cerca de 46 milhões de habitantes, mais do que a Argentina; também ganha do país vizinho em matéria de economia, entre outras. A taxa de alfabetização ronda os 96%.

 

Bolsonaro
E o candidato Jair Bolsonaro conseguiu a façanha de ser comentado seguidamente por meio de reparações por parte da Rede Globo. Usou a tal “plataforma de tiro”, arregaçou o alvo, mas também acertou o próprio pé.

 

Alvaro em Foz
A Globo só entrevista os mais pontuados pelo IBOPE, sendo assim Alvaro Dias não acessou a plataforma de tiro, ou a bancada giratória do telejornal mais assistido pelos brasileiros. O candidato paranaense foi a “voz da oposição” ao PT e não baixou a guarda contra Temer & Cia. Os apresentadores teriam “nada” a questionar sobre a sua conduta. Uma pena não participar. Ele está desde ontem na fronteira, em campanha. Alvaro busca a unidade dos cidadãos do Paraná em prol de sua caminhada. Essa ficha precisa cair. Os paranaenses ainda não se deram conta de que possuem um ótimo candidato.

 

Cida
Ontem foi a vez de Cida Borghetti encarar a plenária do Codefoz. O Corvo fechou bem mais cedo, em razão de uns acertos na área gráfica. Sábado certamente haverá publicação sobre o desempenho da governadora nesta coluna.

 

Contrabando
Os cigarros são os vilões fronteiriços. Segundo o especialista Edson Vismona, o contrabando do produto é que financia o tráfico e outras maledicências. Se bem que o cigarro está sendo condenado em todo o planeta por questões de saúde; mesmo assim é muito vendido. E há algo que é necessário diferenciar: os fabricantes de cigarros não cometem ilegalidades, produzem de acordo com a formalidade das leis paraguaias e vistorias sanitárias, e vendem o produto legalmente. Muita gente generaliza sobre o assunto.

 

Mauro e Jackson
Aqui vão os parabéns atrasados para os amigos Mauro Hanzen e Jackson Lima, pessoas dedicadas, atentas a tudo o que acontece e, como todo bom brasileiro, enraizadas em suas atividades, do trabalho para casa e de casa para o trabalho, sem pestanejar. Uma salva de abraços para os dois! Aniversariaram ontem, quinta, dia 30.

 

Mentira?
O semanário de classificado publicou uma matéria de capa esculhambando o colega Rogério Bonato, afirmando que ele “mentiu sobre condenação”. Engraçado isso: como alguém mente sobre um processo judicial? Impossível. Qualquer pessoa, ou com a ajuda de um advogado, pode ingressar no site JUSBRASIL — todas as demandas em curso estão lá. Procuramos o Bonato e ele disse que não deu bola ao que foi publicado; sequer teve o trabalho de ler. Segundo ele, está acostumado a ser alvo de gente que vive do sensacionalismo. Ontem tivemos o cuidado de analisar o processo com a ajuda de um advogado. O resultado é que pisaram na bola. Como diz o Bonato, nem dá para dar bola.

 

“Marvadeza” pura
Onde já se viu usar jornal para essas traquinices sem o mínimo cabimento? Cadê a responsabilidade? Estão achando que a imagem de alguém pode ser avacalhada assim? E o pior é que o publicado não é verdade! Que barbaridade! Quem tem rabo de palha não senta ao lado de braseiro.

 

 

 

 

Grande Marujo!
O nosso colega Abel, um corvo de plantão, enviou uma pérola: a visita do capitão dos portos ao primeiro marinheiro da gloriosa capitania, Argemiro dos Santos, conhecido como Marujo. E o corvo Abel fez o registro do encontro, muito emocionante, o que dá para notar na expressão do comandante Niemer Gomes Rickmann. Conhecemos o Marujo pelas habilidades com o pistom, pois é um músico que marcou história em Foz, mas sua trajetória é digna de um livro, porque ele já é tema de filme — e premiado. Acontece que o seu Argemiro é um feliz garotão de 97 anos e, entre outras, lutou na Segunda Guerra, isso mesmo, foi expedicionário — e com muito orgulho! Nossos amplexos ao Marujo!

 

 

 

 

 

Quadros no Comtur
E o Rogério Quadros, em sua maratona de prestação de contas, foi ao Conselho Municipal de Turismo. Mostrou que o Legislativo pode fazer a diferença quando é antenado em projetos de desenvolvimento, como é o caso da revisão do Plano Diretor. Antes o povo se queixava que a Câmara não dava pelotas à comunidade. Parece que isso mudou da água para o vinho, especialmente se depender do presidente da Casa de Leis.

 

Dois lados
E o Rogério Quadros foi ao povo do turismo, mas também recebeu o Piolla para uma palestra sobre projetos em desenvolvimento. Levaram foi sorte, porque se o secretário de Turismo & outras secretarias resolvesse levar tudo o que planeja, os vereadores precisariam ter preparado um lancheira.

 

Cartas
O Corvo recebeu outra penca de cartas e mais uma vez terá de suprimir boa parte devido aos conteúdos com a utilização de palavreado impróprio. Será que não dá para escrever sem palavras de baixo calão?

 

Abreviações
E o que os leitores e colaboradores escrevem rende lá uma dorzinha de cabeça, porque precisa ser editado de cabo a rabo, ainda mais quando escrevem “vc”, “pq”, “tbem”, entre outras, o que anda matando a boa condução da língua portuguesa.

 

Aplicativos
Mas que baita confusão. Segundo o Corvo apurou, a prefeitura vai recorrer na questão dos aplicativos. A discussão vai muito longe, enquanto isso a frota roda normalmente, para o alívio dos usuários. Se fizerem uma pesquisa, a aprovação dos aplicativos ultrapassaria os 90%. Opa, falar de pesquisa fora da área eleitoral pode.

 

População
Todos os órgãos que fazem levantamento populacional acabam pisando na bola, especialmente quando se metem com as projeções. Foz é uma cidade complicada de avaliar o seu crescimento populacional. Certa ocasião o Ipardes errou em nada menos que cem mil habitantes. Lá pelos anos 80, fez a previsão de que a cidade teria cerca de cem mil moradores fixos no ano 2000; o número suplantou os 200 mil.

 

Encolhendo
E é verdade, cidade cuja população esvazia corre o risco de perder recursos. Somente o fato de não possuir um segundo turno nas eleições já se configura um fator de complicações.

 

Apoio
Corvo, diz aí: o senhor pode declarar apoio a um candidato? Jornalistas podem fazer isso? Um amigo disse que não, mas eu fui ver e parece que isso não é possível. Então, explica como alguns comunicadores declaram apoio aos candidatos.
Jair Rodolfo Beira

O Corvo responde: meu caro, jornalistas podem sim declarar apoio a candidatos. O que não pode é pedir votos para eles. Pedir voto em veículo de comunicação pode ser interpretado como propaganda, e aí vai render multa, entre outras. Bucha pura.

 

Pé de guerra
A Coordenadoria da Diversidade, que é composta por entidades de Foz, manifestou-se, por meio de “carta de repúdio”, sobre o Projeto de Lei 71/2018, de autoria dos vereadores Celino Fertrin, Adenildo Rodrigues (Kako), Elizeu Liberato e Rolison Jeferson Brayner, propondo a revogação da Lei n° 2.718, de 23 de dezembro de 2002. Ela “dispõe sobre as penalidades à prática de discriminação em razão de orientação sexual e dá outras providências”. O assunto já rendeu muitas discussões. E é a velha história, se já há um resultado em âmbito federal, por que insistir? É como o reinvento da roda. O Código de Postura de Foz não suplantará a Constituição Federal. O ideal é conseguir eleger deputados e esperar por uma reforma, mesmo assim há assuntos que estão sacramentados perante a sociedade.

 

A carta diz:
“A referida lei aprovada pela Câmara em 2002 e regulamentada somente em 2018 sofre dos mesmos impedimentos históricos que no âmbito federal se deu no arquivamento da PL 122/2001 em 2015. Atualmente, tramitam no governo o Projeto de Lei n° 515, de 2017, a PL n° 7582/2014, e o Projeto de Lei Dandara n° 7.292/2017 que possuem o mesmo objetivo, combater a discriminação e os crimes por LGBTfobia em território nacional em função de garantir a universalidade do direito à igualdade e a não-discriminação por orientação sexual e identidade de gênero”.
O documento é extenso para a coluna, deve haver o assunto no corpo do jornal.

Share

GDIA