20 de agosto de 2018
Decisão da família e desistência de Osmar tiram Nanci da disputa
20 de agosto de 2018

 

Agitação
A fase de campanhas começou para valer. O que se vê são gráficas correndo atrás de papel para imprimir os milhões de santinhos que colorirão o chão de Foz do Iguaçu nos próximos dias. Uma pena, pois se o trabalho dos cabos eleitorais fosse mais consciente, os bueiros agradeceriam, sem entupir quando chovesse, tamanha a quantidade de panfletos de candidatos despejada sem critérios. Isso inclusive, caso denunciado, pode gerar multa.

 

Consciência
Mas há quem seja cuidadoso e entregue a sugestão publicitária de mão em mão, conversando com os eleitores. Santinho que consegue entrar no bolso do eleitor é aquele que pode fazer diferença no dia da eleição.

 

Convencimento
Como este colunista escreveu durante a semana, as redes sociais estão infestadas de vídeos, fotos e campanhas de candidatos de todas as partes do Paraná e até de outros estados. Dependendo de onde cair o nome da pessoa na malha de impulsão do Facebook, por exemplo, é provável que apareça candidato até da China. Mas há materiais interessantes, que se destacam, logo viram notícia.

 

O Corvo viu
Uma das peças que chamaram a atenção do Corvo foi o vídeo de apresentação do candidato a deputado federal Vermelho. Trata-se de uma peça muito bem produzida, narrando a trajetória dele; uma construção muito positiva, aliás. Mas há também pontos de descontração e com muito humor. Por ser ruivo, ele sofreu na meninice com o assédio dos coleguinhas, o que hoje conhecemos como bullying, o que o deixava “vermelho de raiva”. “…mas acabei aceitando, porque se eles soubessem que o meu nome era Nelsi Maria, aí a coisa ia ficar pior ainda”, disse Vermelho, aos risos, na tela. O vídeo é muito bom e esclarecedor.

 

Apoio
No final de semana, o prefeito Chico Brasileiro concedeu publicamente um apoio importante: afirmou que apoia irrestritamente o Vermelho em sua candidatura à Câmara Federal. Não que Chico estivesse em cima do muro, mas a pendenga no partido, com o lançamento de outros dois candidatos para a mesma vaga, fez com que ele analisasse melhor o terreno. Ficaria um pouco chato o prefeito de Foz apoiar um candidato de Cascavel ou alguém que se colocou na condição de opositor, pertencendo inclusive ao mesmo partido.

 

Resposta
Mas Chico sabe que não poderá virar as costas para quem ajudou a cidade, no caso fechar as portas para deputados que seguraram o rojão quando foi necessário. É por isso que há “palanque” em épocas eleitorais, para ter em cima dele uma porção de figuras de um grupo político, coligações, apoios e toda a natureza de propostas que chame a atenção dos eleitores. É assim que a sociedade escolhe os seus representantes. Mas sobre apoiar o Vermelho, Chico teve tempo para se aconselhar, ouvir as lideranças estaduais e nacionais do partido e também os setores da comunidade com quem mantém contato diariamente. Alguém com o perfil do Chico não declararia apoio sem o devido estudo e aprofundamento na questão.

 

Modus operandi
E campanha política é assim, quem está nela trabalha a imagem conforme os valores agregáveis. Isso é uma via de mão dupla, pois se um prefeito não agrada, o candidato fugirá dele igual o diabo da cruz.

 

Falar nisso…
Eleição é liquidificador de querências, no qual aparece tudo. Mas os candidatos estão bem precavidos quanto ao risco de sair no santinho ao lado de alguém “em baixa” perante a opinião pública. Os escândalos de corrupção estão causando esse fenômeno. Tem tente a todo custo querendo aparecer, mas não encontra espaço de jeito algum.

 

Ana Amélia
A senadora, gaúcha, jornalista e vice de Geraldo Alckmin, levou bom público à sabatina organizada pelo Codefoz. Ao lado dela, pesos pesados da política paranaense e aliados, como o ex-governador Beto Richa e a atual governadora Cida Borghetti. Cida, por sua vez, retornará em uma próxima audiência com a entidade, tanto que não assinou a carta do evento.

 

Beto e Cida
A dupla, um candidato ao Senado da República e outra ao governo, utiliza as mesmas plataformas para o convencimento do eleitorado, pois, segundo o discurso, o que um começou o outro concluiu ou pelo menos começou, como é o caso de algumas obras em Foz do Iguaçu. Bom, até o momento ninguém viu descarregarem um saco de cimento nessas obras, mas a esperança é a última que morre. Tire as estradas do discurso, Beto.

 

Beto e as estradas
Uma coisa meio complicada de entender é como um candidato consegue inserir as estradas paranaenses em seu discurso, como fez o Beto Richa ao falar com a imprensa na sexta-feira. As estradas paranaenses podem não ser as piores do país, mas são as mais caras pelo pouco que devolvem em matéria de conforto aos usuários. O estado pode estar bem colocado, ou em segundo lugar, investindo nas estradas, mas com dinheiro de quem? Os pedágios, pelo que cobraram, deveriam entregar as melhores estradas da galáxia.

 

Comparativo
O departamento legislativo da Câmara realizou um levantamento cujo resultado demonstra que a Casa de Leis está trabalhando mais, se comparada à gestão anterior. Mas nem precisariam dar-se ao trabalho, pois a atuação da atual legislatura é evidente, sobretudo em deliberações que pressionam a administração, como é o caso das demandas por asfaltamento. Mas em que os vereadores aparentemente mais trabalharam foi em questões éticas, gastando o tempo repreendendo os colegas, o que é uma pena. O tempo poderia ser utilizado em favor da população. Porém não se consegue mudar tantos vícios, adquiridos há mais de um século, da noite para o dia, não é? Trabalhando, a Câmara está conseguindo readquirir a confiança do cidadão na área política/legislativa da cidade. Isso se mede pela quantidade de atendimentos e pessoas que frequentam as reuniões entre os vereadores.

 

A nova ponte
Pois então, hein Corvo, fico imaginando a beleza que em que o Porto Meira se transformará depois da ponte pronta, se é que ela será erguida mesmo, como dizem os políticos. Faz mais de 20 anos que ouço esse discurso em vésperas de eleição. Sabe informar por onde serão os acessos, Corvo? Viu o projeto?
Altair Junqueira

 

Movimentação
Foi falarem que a segunda ponte será nas proximidades do Marco das Fronteiras que já tem gente procurando áreas para o comércio na zona primária. Que barbaridade, hein Corvo? Mas o Porto Meira merece, afinal já é praticamente a ligação com a Argentina e agora será o “tríplice bairro”, recebendo os paraguaios também, em via direta. Tomara que essa ponte saia mesmo o quanto antes e não fique apenas na promessa política, certo seu Corvo?
Mário V. R. Tonellatto

O Corvo responde: os moradores do Porto Meira estão atônitos com as novidades ou a onda que se moveu com a construção da segunda ponte com o Paraguai e que terá a cabeceira brasileira naquele bairro. Todo mundo quer mais informações, como por onde serão os acessos, se haverá ou não uma ligação com a perimetral ou se o eixo do movimento será a Avenida Morenitas. O Corvo vai aprofundar-se no tema para discorrer melhor sobre ele aos leitores.

 

Tratamento adequado
Corvo, me desculpe, mas se há hoje uma campanha de vacinação de animais, é porque algo está preocupando as autoridades. Isso de dizerem que não vacinaram porque não havia incidência da raiva é história pra boi dormir. E a prevenção? A vacinação serve exatamente para isso, para prevenir! Agora é aquele tumulto no CCZ. Tá louco, tudo na última hora.
Maria das Graças Baptista

 

Bagunça
Corvo, fui ao CCZ levar os bichos lá de casa para vacinar e acompanhei cenas impressionantes, como o caso de uma senhora que levou seus oito cachorros. E a encrenca entre os bichos naquele local? Simplesmente não consegui tirar o gato da bolsa (ele foi com a cabeça de fora para respirar), porque fiquei com medo de ele fugir, com tantos cachorros latindo lá. Penso que esperar as equipes em casa é melhor.
Josefa Fagundes

O Corvo responde: esta ave fica imaginando a dona Josefa indo ao CCZ, com o gato na bolsa e com a cabeça do lado de fora. Coitado do bichano! A vacinação tem chamado a atenção das pessoas, especialmente após o alerta de raiva, provavelmente transmitida pelos morcegos. Algumas pessoas enviaram carta ao Corvo informando que há pessoas caçando os morcegos nos bairros. Calma gente, melhor é vacinar os bichos e manter os olhos nas ações promovidas pelo CCZ.

 

 

 

Ação no shopping
Centenas passaram pelo “Standvirtual” que a Unila montou no shopping, numa ação de “trauma e emergência” realizada pelos alunos do curso de Medicina. Quem passou pelo local e interagiu com os acadêmicos teve a oportunidade de aprender alguns procedimentos. “Estou grávida e aprendi como devo agir em várias situações que podem envolver o meu bebê”, disse Luciana Pires.

 

Share

GDIA