10 de julho de 2018
Com Brasil fora da copa, eleição para o governo esquenta no Paraná
10 de julho de 2018

 

“Passei a ouvir meus próprios
passos e até o som dos pássaros…”

Esta é uma das principais falas dos pacientes após o tratamento para a perda auditiva, diz a especialista em audiologia, dra. Carolina Funchal, que complementa “Ter perda auditiva não é só deixar de ouvir, é deixar de compreender e de ser compreendido…”

 

 

Ela fala da importância de se tratar qualquer tipo de perda auditiva, problema que atinge mais de 5% da população brasileira, para que isso não evolua e para garantir a qualidade de vida do paciente.

 

 

 

Ela é autoridade no assunto e tem muita experiência em Foz do Iguaçu: foi a responsável técnica pela implementação do teste da orelhinha em Foz – que na cidade passou a ser obrigatório quatro anos antes de virar lei Federal, e implementou no fim dos anos 90 o Serviço Auditivo do Hospital Ministro Costa Cavalcanti e o Programa de Conservação Auditiva na Itaipu.
(Assessoria)

 

 

Share

GDIA