30 de junho de 2018
30 de junho de 2018

Fake news
As redes sociais deste Corvo amanheceram lotadas de gravações dando conta de que na segunda-feira haverá uma nova manifestação de caminhoneiros. Como nada saiu nos telejornais, tudo leva a crer que há outra onda de notícias falsas espalhando-se. E a brincadeira já está assustando muita gente. Havia filas no posto onde o Corvo foi abastecer. Que tristeza isso!

 

Ligados ao Messer
Os jornais paraguaios ligam empresários brasileiros ao doleiro, independentemente de serem investigados pelo Ministério Público de lá. Quer dizer, atiram a esmo. O ABC Color publica e os demais repicam; alguns tratam da ligação como fosse fato. Foi o que aconteceu com o pessoal ligado a um estabelecimento gastronômico muito famoso em Foz que tem uma filial no Paraguai. Ao que consta, as notícias veiculadas não saíram do campo da denunciação jornalística.

 

É mentira?
O Corvo não sabe nem está dizendo que é. Também não defende ninguém. O fato é que não há uma manifestação de delegado, promotor e muito menos de juiz. Então, como se pode alegar que um tradicional bar, frequentado por milhares de iguaçuenses, paraguaios, argentinos e turistas de todos os cantos do planeta, pode ser controlado pelo doleiro ou pelo grupo dele?

 

Força na peruca
Antes de ser investigado e denunciado, o doleiro Messer era “o cara”; meio mundo fez negócios com ele; pela proximidade com o presidente Cartes, foi considerado um homem muito forte em território paraguaio, sendo assim deve ter milhares de sócios naquele país. Uma coisa é lavarem dinheiro, outra é fazer negócio. Se o “caso Messer” for levado ao extremo, cada uma das pessoas que fez câmbio em seus negócios será cúmplice, ou seja, vão processar e precisar prender uma quantidade de gente provavelmente maior que a população do Paraguai.

 

Negócios
As famílias iguaçuenses citadas pelo jornal paraguaio possuem negócios agrícolas no país vizinho há décadas. Isso é de pleno conhecimento público. Uma ligação empresarial com o doleiro não quer dizer que essas pessoas vivem do benefício de crimes financeiros. No mais, uma casa tradicional como a citada vive lotada, cheia de gente e não fornece bebidas de graça, como bem sabemos. Cobram, e até muito bem por sinal. Se a ligação com os crimes do doleiro for verdadeira, a Justiça informará oficialmente. Até lá, tudo paira no campo da especulação, seja com ou sem maldade.

 

A delação
Ontem divulgamos que Dario Messer, ainda foragido, pretende “abrir o bico” por meio de um “acordo de colaboração premiada”. A intenção dele é responder aos processos em liberdade. No máximo em prisão domiciliar, o que não seria nada ruim, considerando que ele mora muito bem. Mas com um montante de US$ 1,6 bilhão em discussão, resta saber se as autoridades aceitarão uma negociação assim. Ele terá de responder a acusações em dois países. Pode escapar de um, mas não de outro. Se Messer falar, as coisas vão ferver ainda mais na política brasileira.

 

Rápidos no gatilho
Os nossos vizinhos paraguaios são muito rápidos. Enquanto Foz do Iguaçu se perde em reuniões, blablablás desnecessários, como cão correndo atrás do rabo, a prefeita de Ciudad del Este está conseguindo sensibilizar o governo nacional para a mudança de legislações que tornarão o comércio de lá muito mais atrativo. Dependendo, os compradores passarão direto e nem vão sentir o cheiro das nossas lojas francas.

 

Velho problema
Foz é muito lerdinha neste quesito, de tentar achar pelo em ovo. E não corremos o risco de perder apenas para os paraguaios, mas sim para as demais cidades que receberão free shops. Este Corvo possui informações muito sérias sobre o esfriamento de vários investidores e detentores de grandes marcas. Eles não estão gostando nada dessa enrolação.

 

Lerdeza histórica
Enquanto uma porção de pessoas, muitas das quais estarão distantes das lojas francas, fica de reunião em reunião discutindo o sexo dos anjos, muitos dos concorrentes já aplainaram o terreno, ou seja, estão praticamente construindo os espaços. Vamos sacudir essa poeira, seu Chico Brasileiro. Destrave esse assunto também.

 

Elementar
Não há nem muito o que discutir. Há um plano de ocupação na cidade, um zoneamento. Chamam isso de Plano Diretor. É só olhar onde é possível instalar as lojas francas e pregar chumbo! É o que fazem os concorrentes. Bom, nossa redação fez uma matéria sobre o tema.

 

Cota mantida!
E os nossos queridos vizinhos paraguaios não podem queixar-se do empenho dos brasileiros. Com o advento das lojas francas, a cota de compras seria reduzida para US$ 150. A preocupação era grande com os comerciantes de CDE e com os milhares de brasileiros que trabalham lá. O ministro deu uma canetada e manteve a cota de US$ 300.

 

Advogada
O nosso amigo Reinaldinho, como é conhecido o Dr. Reinaldo Caetano Santos, possui muitas razões para festejar no final de semana e nos próximos dias. Samira Quinaglia Santos, a filhota que cursa o nono período de Direito, passou nas duas fases da OAB! Felicidades ao papai, Reinaldinho, mamãe, Luciene Quinaglia, e para a mais nova advogada! O Corvo conhece a Samira desde pequenininha!

 

É hoje…


Neste sábado acontece a noite de chorinho em A Casa. O evento já recebeu uma porção de confirmações, mas ainda dá tempo de marcar presença. O Corvo republica o cartaz.

 

Jogões
Um sábado, aliás, dos mais futebolísticos, com a Argentina nas oitavas de final e enfrentando a França! A lotação nos botecos será garantida com Uruguai x Portugal e nova empreitada da Argentina! Vamos ver quem segue no Mundial, nesse duelo entre americanos e europeus. Para o Brasil não faz muita diferença.

 

Mais jogões
E amanhã, domingo, o bicho vai pegar, com a Espanha enfrentando a Rússia e a Croácia precisando encarar a Dinamarca. Quando o Brasil entrar em campo, metade das equipes já se despediu.

 

Brasil na segunda-feira
Pois o final de semana será meio que prolongado. Difícil alguém ir trabalhar sabendo que haverá jogo da seleção brasileira às 11h. Que barbaridade!

 

De olho
E em caso de vitória, é bom os brasileiros irem acostumando-se com a ideia de que só haverá pedreira pela frente. “Não há jogo fácil nesta Copa.” Esta é a frase do Mundial.

 

Hexa

 

 

A seleção brasileira foi campeão em 1958, e de lá para cá: “bi” em 1962, “tri” em 1970, “tetra” em 1994 e “penta” em 2002. A rapaziada quis homenagear a nova conquista e estampou a rua!

Share

GDIA