8 de junho de 2018
8 de junho de 2018

Olá. Bom dia, leitor!

‘Carpe diem!’
– Hoje, sexta-feira, dia 08 de junho, comemora-se o ‘Dia do Citricultor’ (laranja, limão, tangerina, etc.);
– Também hoje se comemora o ‘Dia do Oceanógrafo e do Oceanólogo’.

 

O imbróglio CUT, OIT e sindicatos
Como noticiamos, a OIT incluiu o Brasil na lista suja de países que não respeitam o direito dos trabalhadores. Nosso ministro do Trabalho, Helton Yomura, esteve em Genebra e reagiu dizendo que, agindo assim, a organização corre o risco de se tornar irrelevante e que os sindicatos organizados na órbita da CUT – que teria acionado nosso governo na organização – doravante deverão trabalhar muito mais, em função da diminuição de mais de 80% em seu fluxo de caixa.

 

O imbróglio CUT, OIT e sindicatos (2)
No Congresso Nacional há parlamentares da esfera sindical que nos discursos sempre falam da questão da liberdade de escolha e democracia, mas longe do parlatório e dos olhos e ouvidos de seus eleitores defendem com unhas e dentes a volta da cobrança do imposto sindical de forma compulsória.

 

E por falar nisto
Quem quer a volta da obrigatoriedade do imposto sindical deveria olhar para dois tipos de público e das respectivas fidelidades: os torcedores de futebol e aqueles que não perdem a ‘parada gay’, que ocorre no mês de maio, todos os anos, em São Paulo.
Em nenhum dos casos há qualquer obrigação pecuniária ou quanto a participação, seja nos jogos, seja no dia da ‘passeata gay’. Detalhe: geralmente quem vai aos estádios tem que pagar pelo transporte para chegar ao estádio (se for de carro, tem a despesa do estacionamento), compra a camisa do time do coração e sofre quando o time perde o jogo. Quem vai à ‘parada gay’ também tem despesas com transporte e indumentária, noves fora o inarredável preconceito. Mas as pessoas vão porque querem!

 

E por falar nisto (2)
Não se está aqui a fazer qualquer juízo de valor a respeito da atuação sindical: ela é necessária, ela é fundamental em muitíssimos casos, todos sabemos. O que se está querendo abordar, na verdade, é o fato de que a atividade sindical no Brasil vai ter que mudar, se quiser sobreviver, como já fazem muitos sindicatos que sobrevivem da mensalidade que facultam a seus associados e que devolvem todo ano o valor da contribuição sindical compulsória, cobrada todo mês de março aos trabalhadores.

 

Por último…
Na verdade o Brasil está passando por uma transição na qual sua elite dirigente foi surpreendida pelos fatos que se impõe cotidianamente. Nesta semana soubemos que 94% dos brasileiros tem acesso à cobertura 4G! Nossa elite dirigente resiste como pode, mas o peso da realidade fará com que sucumba caso insista em suas posições do século passado.

 

…mas não menos importante
A ausência de mais de 50% das pessoas nas eleições, a paralisação dos caminhoneiros, a prisão a todo instante de malfeitores do colarinho branco e a baixíssima popularidade de governos e políticos mostram que a informação via 4G fez o povo não querer mais do mesmo.

 

Acesse a Gazeta Diário na internet em www.gdia.com.br
A sexta-feira vai chegando e com ela o fim de semana, leitor! Tenha uma boa jornada, ok?
Sorte e saúde sempre a todos!

Share

GDIA