24 de maio de 2018
Curso com Murilo Pereira
25 de maio de 2018

Greve dos transportadores
Embora haja uma ilegalidade no quesito greve de transporte, porque isso mexe com a economia nacional e com a zona de conforto do cidadão, os motoristas pararam pra valer nas estradas. Ontem o Corvo foi abastecer, e o frentista garantiu que se a greve continuar a coisa vai “enfeiar”. Já enfeiou e o que se via era fila em quase todos os postos de gasolina da cidade. Ficar sem combustível ninguém merece. E o carro do Corvo infelizmente é movido a diesel, a vedete do momento em matéria de aumento.

Apoio popular
A paralisação está causando muitos estragos e colocando a produção de vários setores em risco, porém possui lá um carisma popular, porque o preço do diesel ferra de vez com o setor de transportes. Alguém, afinal, deve ir pra cima do governo. As pessoas reclamam a falta de ração para os animais, a possibilidade de falta da matéria-prima nas indústrias, a não reposição de produtos nos supermercados, mas sabem que pressionar o governo para baixar o preço do combustível é uma medida necessária e, quanto mais coletiva, melhor.

Propaganda enganosa
Muita gente suou para comprar um possante movido a diesel porque era mais econômico em matéria de bolso. O governo dava garantias de que o combustível não aumentaria, pois ele é que movimenta quase 100% da frota de transporte nacional. E quem manda a gente acreditar em governo? Olha aí a situação! Diesel caro e ainda por cima faltando. É dureza.

Faltam tomates!
Isso mesmo, pelo menos nas gôndolas do Mufatto Boicy não havia um tomate sequer à disposição da clientela. Eita que o povo gosta de um tomatezinho, hein?

Temer não vai
Graças a Deus o presidente se tocou e recuou da sua insana aventura de tentar a reeleição. De onde ele imaginou que faria votos? Devem ter apresentado no mínimo umas 200 pesquisas de inviabilidade. Mas em seu lugar vai o Henrique Meirelles, um homem de potencial, pois de economia ele entende.

Meirelles
Vai ver o Brasil precisa mesmo de alguém com um perfil assim, de lidar com a credibilidade do país perante os parceiros. Entre todos os candidatos que se apresentaram até o momento, Henrique Meirelles é de longe o mais preparado. Só não sabemos como saberá lidar com as diferenças sociais. O perfil de um presidente para o Brasil exige essa faceta, de saber contar o dinheiro e distribuí-lo com os sócios da nação. Os sócios que habitam o território, não os donos dos partidos políticos.

Sociedade funesta
O povo brasileiro é muito sofrido, e essa parceria entre governos e partidos complica ainda mais a vida do cidadão. É um horror. Os eleitos deveriam simplesmente legislar e jamais viver da pressão pela indicação de cargos nas estatais, assessorias e empresas governamentais. É muita ganância. Por isso o brasileiro precisa escolher bem os representantes e questioná-los sobre a indicação de cargos.

Pressão na invasão
Ontem um policial foi baleado na invasão do Bubas. O homem estava trabalhando, no cumprimento das tarefas em defesa da comunidade. Os moradores ficaram indignados e, não demorou, a polícia já sabia a ficha completa dos envolvidos. Os moradores da invasão não toleram as más companhias, segundo alguém confidenciou ao Corvo.

Denúncias pelo WhatsApp
O Corvo publicou notas ontem sobre a novidade, ou seja, a possibilidade de auxiliar a Polícia Federal por meio de rede social. Hoje todo mundo possui um smartphone e está ligado no zap-zap. A polícia encontrou foi uma forma de se aproximar da comunidade. O importante é a garantia de sigilo absoluto.

Bandidagem ousada
Alguns “inimigos do alheio” são caras de pau. Julgam-se donos das pessoas. No Rio de Janeiro, na semana passada, a polícia descobriu que os traficantes tiravam à força os celulares das mãos das pessoas e verificavam se haviam entrado em contato com a polícia. Aonde chegou a ousadia. O caso é que não dá para subestimarem a inteligência do povo. Apagar mensagens é uma função pra lá de conhecida. Portanto ajudar a polícia é uma maneira de viver em paz com a família.

Serviço eficiente
Vale lembrar que o novo canal de serviço disponibilizado pela PF é para enviar mensagens por escrito, áudio, vídeo e tudo mais que está ao alcance da população; na ponta dos dedos, para falar mais claramente. Para fazer as denúncias por telefone, a PF já possui um canal específico, mas pelo visto em breve isso será coisa do passado.

 

Continuidade
A prefeita Neide Mariot, de Santa Terezinha, disse que fará governo de continuidade. Tomara que continue nas coisas boas, porque se fizer diferente ou igual ao antecessor pode se dar mal.

Sâmis sem Sanepar
O fato de algumas contratações estarem no módulo da ilegalidade na Companhia de Saneamento do Paraná fez a governadora Cida Borghetti tomar providências, e a guilhotina baixou no pescoço de várias pessoas, entre elas Sâmis da Silva. Mas o efeito é dominó. Segundo uma fonte muito fidedigna, Sâmis havia inclusive indicado nomes para as diretorias da região. Ao que consta isso gorou. Cida teria, de próprio punho, escrito a lista dos novos diretores regionais.

178 mil
É o número de pessoas aptas a votar neste ano. Houve um aumento de 7,8% em relação à última votação. Se o povo se unisse em prol de algumas candidaturas, daria para a cidade eleger dois deputados federais e uns três estaduais, e isso com um pé nas costas. Devemos levar em consideração que alguns pré-candidatos estão trabalhando firmemente em outras cidades, algo um pouco diferente do passado.

Anormal
É uma anormalidade, porém uma necessidade isso de políticos de uma cidade irem buscar votos em outras. Chegou a vez de Foz trabalhar assim. Estamos acostumados a ver políticos de outras cidades buscarem votos aqui; vamos dar o troco.

Ratinho
Corvo, o que falta é você ser um pouco mais ácido e esclarecer certas situações para os leitores. O Ratinho Jr vem a Foz para dar uma força para o Vermelho, dizendo que ele é sim pré-candidato, mas também vem para colocar ordem no seu partido, no qual as coisas andam meio nebulosas de uns tempos para cá. Pode anotar que depois que o Ratinho passar os gatos vão amansar. Em Foz as coisas acontecem ao contrário, para variar, ou não vivemos mais na cidade onde o rabo morde o cachorro?

O Corvo responde: prezado, calma aí, a cidade mudou bastante; o problema é a prática na cabeça de algumas pessoas, mas ela também muda com o passar do tempo e os ânimos vão arrefecendo-se. E outra coisa, mais claro que o Corvo, impossível. O caso é que gostamos da ética, da verdade, e não jogamos com a prática de ajudar uns prejudicando os outros. O Ratinho é um conciliador; todo mundo sabe dessa sua virtude. A tendência é ele fortalecer os ânimos do partido e acabar com as fissuras, pois isso é normal onde há valores aguerridos e que querem o bem da região. Tudo vai acabar acertando-se. Em geral é assim que acontece.

 

Lista
No geral, muitos nomes que tradicionalmente surgem nos períodos eleitorais ainda não deram as caras em Foz do Iguaçu. Boa parte foi aleijada pela Operação Pecúlio; uns, na verdade, não querem mais saber da política, de tantas surras que já levaram. Ser candidato não é uma aventura e custa caro, se ainda não sabem. Na lista das desistências também há os que deixaram até as calças no penhor, por isso não podem nem sair de casa.

Na fria, de novo
Contaram para o Corvo que alguém fez a “caveira” de um ex-todo-poderoso do Governo Reni. O moço é concursado, atuava na secretaria de finanças e virou um dos braços direitos do ex-prefeito. Atualmente tenta ascender na carreira pública e ainda dá expediente na prefeitura. Ele dava as cartas no gabinete e se metia em tudo no que não era chamado. Tudo indica que continua o mesmo. Mas para variar a máscara caiu e o gajo se enroscou nas investigações da Pecúlio. O que ele não imagina é que, no andar da carruagem, outras coisas apareceram. A bomba está para estourar. Talvez consigam explicar o fato de ele levar uma saraivada de balas um tempo atrás.

Contaminação
A permanência de alguns “nocivos” no serviço público, sustentados por liminares e outras formas de ações judiciais, complica a vida dos gestores. Uma que não querem ver esse tipo de gente nem pintada e decorada com ouro, outra é que ficam “encostados” em algum canto, não fazem absolutamente nada, mas recebem o salário pontualmente. Salário que é pago pelo povo, inclusive. O certo seria exonerar esses pulhas disfarçados de servidores. Os servidores públicos de verdade não merecem esse tipo de companhia.

Insuportável
Não dá mais para ouvir a propaganda das maquininhas baratinhas de cartão de crédito, cantada pelo Michel Teló e Wesley Safadão. O Corvo foi pesquisar a razão de tantas propagandas sobre os aparatos e descobriu algo novo: até o povo que pede esmola já usa máquinas de desconto em cartão de crédito. Esses dias o leitor foi surpreendido por um pedinte no semáforo. O motorista disse que não tinha dinheiro e que só usava cartão, daí o pedinte tirou a máquina do bolso. Bucha pura!

Falação sem conhecimento
Para variar, a Babel iguaçuense começa a desafinar no tema que abrange as lojas francas. Agora são os contadores que estão dando pitaco. Um leitor, indignado, ligou para o Corvo perguntando: “O que contador entende de loja franca? Quem entende é o cliente. Contador só faz o que o cliente manda”. É que os contadores seriam a favor da modalidade em todo o perímetro. Numa cidade onde há um camelô em frente de cada loja, no centro, a Receita Federal vai conseguir fiscalizar as lojas francas? Difícil.

Share

GDIA