14 de maio de 2018
Santa Terezinha: Fespop 2018 recebeu mais de 170 mil visitantes
15 de maio de 2018

Saldo positivo
O final de semana foi bom para o comércio e também para os restaurantes. Houve movimento acima da média, segundo a opinião de quem encarou uma certa agitação no momento de fazer um afago na mamãe. É quando as famílias se reúnem para essa reverência tão importante, afinal lembrar-se da mãe é comemorar a vida. Mãe adora um cafuné.

 

Ele chegou
E em meio aos abraços dos filhos, netos, bisnetos e até tataranetos, havia os cachecóis, blusas, toucas, luvas… e, em muitos locais, o vinho ganhou da cerveja. O frio deu as caras no final de semana e mesmo ameno, mais uma brisa do que outra coisa, foi o suficiente para muita gente exagerar e tirar as roupas pesadas dos armários. O resultado foi a alquímica mistura de aromas dos perfumes com naftalina.

 

Na farmácia
Como o brasileiro deixa tudo para a última hora, é natural os espirros roubarem a cena em muitos locais; e dá-lhe rinite alérgica por causa dos ácaros. Os lenços de papel e coquetéis de comprimidos incorporaram o kit presente para as mamães. Bora pendurar as roupas de inverno ao sol!

 

Fiscalização
Se Foz já é conhecida como a terra dos pardais, o cidadão deve preparar-se para o que virá: a prefeitura disse que vai intensificar o controle no trânsito, licitando a aquisição de radares controladores e câmeras para os semáforos. O ideal é o cidadão encomendar um tacógrafo e ajustar a velocidade máxima do veículo para 40 km/h. E, dependendo, nem assim vai escapar de levar multa. Mas como a ordem no trânsito diminui o índice de acidentes, tomara que os motoristas sintam medo do bolso.

 

Teoria do buraco
É complicado o cidadão não se livrar dos buracos, o que de certa forma diminui a velocidade, e saber que haverá investimentos no que considera “indústria da multa”. O termo arrepia os agentes de trânsito, mas infelizmente é o que o povo pensa. Mas o que se pode fazer se há um bando de malucos e mal-educados ao volante?

 

Perturbação
A prefeitura bem que poderia aproveitar e licitar aparelhos que consigam flagrar o som acima do índice de decibéis permitidos. Uma dona de casa enviou carta ao Corvo queixando-se da algazarra que fazem próximo de sua casa, no Jardim Primavera. Os veículos estacionam numa esquina e dá-lhe bagunça até altas horas. Ninguém consegue dormir e poucos se atrevem a encarar os baderneiros. Oras, chame a polícia que a farra acaba! Os PMs adoram coibir a perturbação, afinal de contas também são vítimas dela.

 

Seu Richa
Pois então, as coisas estão complicando-se para o Beto Richa, e há quem faça aposta de que ele não terá a candidatura ao Senado. Bom, independentemente do que pode acontecer com o Beto, o efeito do tipo “dominó” já foi deflagrado. Tudo indica que outras figuras importantes do governo acompanharão a queda de Deonilson Roldo. Cida Borghetti disse que vai passar o facão.

 

Todo poderoso
Deonilson sempre foi a grande eminência parda do governo, e esse comportamento é conhecido por quem tentou aproximar-se do governador, isso desde os tempos em que Beto mandava na Prefeitura de Curitiba. Beto dizia sim, fazia um afago, e o Deonilson praticava o “enrolation”; literalmente levava com a barriga as promessas de Beto Richa. Além do mais predominava a arrogância no tempo em que o “Deo” acumulou a Secretaria de Comunicação. Ao que consta isso faz parte do passado.

 

Nas campanhas
Deonilson Roldo passou foi o “rodo” em muitos veículos de comunicação em épocas de campanha. Autorizava os candidatos apoiados pelo governo a anunciarem investimentos institucionais no futuro, coisa que raramente acontecia. E o pior é que muita gente acreditava em sua pose de poder e seriedade. Veículos sérios não davam bola para as falácias do “Deo Golbery”. Taí o resultado. Tomara que se faça justiça no setor de comunicação social do estado.

 

E o que muda?
É necessário fazer um exercício de imaginação para entender como as peças se moverão no tabuleiro político sem Beto Richa, caso precise afastar-se do cenário. Cida precisa caçar as bruxas para mostrar independência; aliás, já atua nessa linha desde ao lançar a candidatura; Ratinho parece mostrar-se indiferente. Dificilmente os partidos de oposição crescerão por causa do ocorrido. Em todo caso, ainda é difícil visionar o tamanho do estrago. Há possibilidade de não dar em nada? Difícil desta vez. Com o juiz Sérgio Moro em cima, a aposta é que Beto não escapa dessa.

 

Três viadutos
Corvo, larga mão de ser sonhador, que história é essa de mais dois viadutos ou até três na cidade? Não vão conseguir fazer nem o da Costa e Silva, que mais uma vez vai ficar apenas na promessa de campanha. Dá um tempo, Corvo, viaduto em Foz é só no sonho dos políticos quando precisam de votos.
Marília Danusa

O Corvo responde: prezada leitora, será que não sentiu a picardia da nota? O Corvo estava apenas tirando um sarrinho, pois sabe que em anos eleitorais muitas ações são suspensas. Sendo assim, anunciarão de tudo, até escada rolante para a Lua, se deixarem. Vamos ver como o atual governo se explica sobre o viaduto da Costa e Silva.

 

Projeto de passarelas
Corvo, só em Foz mesmo. É necessário a Câmara aprovar projeto para autorizar a instalação de passarelas na cidade? Puxa vida, o que os vereadores entendem disso? Há vários pontos onde as estruturas são vitais, pois ocorrem muitos acidentes. O governo poderia simplesmente construir, e fim de papo.
Belmiro Bernardo

O Corvo responde: quisera fosse assim, prezado leitor. Tudo deve ocorrer mediante as regras, e o Legislativo precisa sim deliberar sobre o tema, a começar pelas recentes mudanças no zoneamento. No mais, há várias situações em discussão sobre a aplicação de passarelas suspensas em alguns locais. Isso requer planejamento; de outra forma, não queremos que elas sejam atropeladas pelas caçambas dos caminhões, como aconteceu em outras cidades.

 

Direitona preocupada
Corvo, viu esta? A CIA apresentou documentos dando conta de que Ernesto Geisel e João Figueiredo sabiam sobre execuções de oposicionistas. Isso está aplicando pontadas no estômago de quem apoia a volta dos militares ao poder, por meio das eleições deste ano. Como é que fica o Bolsonaro diante dessas revelações?
PBR (O leitor pediu para não ter o nome revelado.)

O Corvo responde: pois então, prezado leitor, qual a razão de a inteligência americana não denunciar antes as atrocidades e só fazer isso 40 anos depois? Estranho isso? Não, não é nada estranho, acontece que os americanos apoiavam os governos que atuassem em favor dos acordos econômicos que os beneficiavam. Tudo farinha do mesmo saco. No mais, os militares não estão pretendendo voltar ao poder por meio de eleições. Alguns candidatos é que se dizem assim. Mas o Brasil analisará tudo isso com calma, paciência, pois certamente os eleitores amadureceram debaixo de tantos desgastes.

 

Eleições ameaçadas
Corvo, estou sentindo outro cheiro de golpe, levando em conta as declarações do ex-ministro Joaquim Barbosa. Ele dá pinta de que o Brasil ainda não está preparado. Mas como vamos fazer? Dar mais alguns anos para o Temer? Isso nunca, Corvo. Diz aí o que você pensa?
Jussara Bento

O Corvo responde: prezada, o melhor caminho para resolver os problemas da nação ainda é a democracia, o voto, a escolha de pessoas leais ao povo e que tenham sensibilidade para os seus problemas. Judicialismo político, autocracia, militarismo, enfim, mão de ferro não é a saída ideal e em acordo com o mundo moderno. Chega de golpes. É o momento de o povo brasileiro pensar e escolher mais com a cabeça do que com o coração enganado pelos populistas e lobinhos escondidos debaixo da pele de cordeiros.

 

Joio do trigo
Ao participar da entrevista no programa Contraponto, da Rádio Cultura, o empresário Vermelho, pré-candidato a deputado federal pelo PSD, disse que o eleitor precisa separar o joio do trigo na hora de votar. “A política é boa para quem quer fazer o bem para o povo. Mas é preciso escolher a pessoa certa para não se arrepender mais tarde. Existem pessoas boas na política, assim como existem médicos e advogados bons ou maus.” Como este Corvo prometeu, publica aqui alguns trechos da entrevista. Ela repercutiu e muito no final de semana.

 

Círculo vicioso
E respondendo a uma pergunta do Ennes da Rocha, Vermelho disse que a renovação no Congresso Nacional neste ano deve ser de aproximadamente 30%. “É preciso renovar mesmo. Tem de acabar com esse círculo vicioso, com os currais eleitorais, das mesmas pessoas se elegendo eternamente. O político deve cumprir um ou dois mandatos e depois dar lugar a outros, com bons métodos e novas ideias.”

 

Viabilidade eleitoral
Ao falar sobre viabilidade eleitoral, o pré-candidato Vermelho disse que está trabalhando em 80 municípios nas regiões Oeste e Sudoeste do Paraná, segundo ele, com o apoio de muitas lideranças, inclusive prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Em Foz do Iguaçu tem o apoio do prefeito Chico Brasileiro e de diversos vereadores.

 

Estilo empresarial
Para quem não conhece o Vermelho, ele chama-se Nelsi Coguetto Maria e é um próspero empresário do ramo da construção civil. Possui uma grande empresa em Foz, onde se estabeleceu em 1989, durante o governo de Álvaro Neumann, e gera atualmente 150 empregos diretos. Ele é dono de empresas em diversos municípios do Paraná e gera, ao todo, cerca de 600 empregos diretos. Em outras palavras, Vermelho sente na pele a realidade e sabe o que se deve fazer para melhorar a vida da população, tanto na área empresarial como no bem-estar e prosperidade do trabalhador. É um empresário que quer mostrar a sua capacidade na política.

 

 

Share

GDIA