14 de maio de 2018
14 de maio de 2018

Olá. Bom dia, leitor!

‘Carpe diem!’
– Hoje, segunda-feira, dia 14 de maio, comemora-se o ‘Dia Continental do Seguro’;
– Aqui no nosso amado Paraná é comemorado o ‘Dia da Habitação’.

Mito
As pessoas que acham que Jair Bolsonaro ganhará as eleições (aliás, elas têm certeza!) talvez não estejam refletindo de forma mais abrangente. Consideram que o fato de ele ser recebido por grande número de adeptos por onde vai é suficiente para dar ao capitão da reserva a vitória em outubro; há quem pense que ele inclusive levará a presidência da República já no primeiro turno!
Pode até ser, mas temos que considerar algumas nuances das campanhas políticas. Primeiramente, é preciso estar filiado ou fazer parte de uma grande coalizão que detenha diretórios municipais por todo o país; as pessoas que trabalham nesses diretórios querem muito que seu candidato vença a eleição, certo? Para além dos diretórios municipais, é necessário que a coalizão tenha muitos candidatos a governador, cujos aliados e simpatizantes também vão, obviamente, querer que seu candidato vença a eleição no Estado. Por fim e muito mais importante, é bom que o partido ou coalizão tenha muitos e muitos cargos no Governo Federal e, certamente, as pessoas que ocupam esses cargos também vão querer e trabalhar para que seu candidato vença as eleições, não é? É.
Em segundo lugar, é fundamental que o partido ou coalizão seja detentor de tempo de televisão. É de importância capital que o candidato exponha suas ideias, fale de seus projetos para o país e de que forma pretende colocar de pé a execução das promessas que fará durante a campanha. Em terceiro lugar, é bom que o candidato tenha uma ‘folha de serviços’ a apresentar ao país.
Goste-se ou não disso, o fato é que os adeptos da campanha de Jair Bolsonaro deveriam saber que o candidato não tem um partido com grande capilaridade, praticamente não terá tempo de televisão e, pior, após 30 anos de vida pública o capitão tem pouco a apresentar. Isto quer dizer que ele não vai ganhar a eleição? Bem, esta afirmação da pergunta não encontra eco no que vai exposto acima.

Escárnio
Ontem foi o ‘Dia das Mães’. O dia é tão relevante que – se permite o leitor – comercialmente falando a data só perde para o Natal. Noves fora a parte comercial e incorrendo no pecado horroroso do clichê, até os desalmados têm mãe, certo?
Certo, mas nem por isso a justiça brasileira precisava fazer o papel que fez na semana passada, dando às condenadas Suzane von Richthofen e Anna Carolina Jatobá a oportunidade de saída, ainda que temporária da prisão, em razão do Dia das Mães.

Escárnio (2)
Um horror: Suzane foi condenada a 39 anos de prisão por participar do assassinato de seus pais, e Anna Carolina a mais de 26 anos pelo assassinato da enteada em 2008. Ambas foram soltas na quinta-feira pela manhã e deverão retornar ao presídio de Tremembé (São Paulo) até amanhã, às 17h. Assim fica parecendo escárnio! Pega mal, como se diz no jargão popular.
Sugestão: já que é de direito e tudo está virado de pernas para o ar, por que não soltar Suzane e Anna Carolina em outra ocasião, como na semana do Carnaval, por exemplo?

Viva a segunda-feira, leitor! Tenha um excelente início de semana, ok?
Sorte e saúde sempre a todos!

Share

GDIA