23 de abril de 2018
23 de abril de 2018

Olá. Bom dia, leitor!
‘Carpe diem!’
– Hoje, segunda-feira, dia 23 de abril, comemora-se:
. o ‘Dia Mundial do Escoteiro’;
. o ‘Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor’;
. o ‘Dia Nacional da Educação de Surdos’;
. o ‘Dia Nacional do Choro’ (para marcar a data de nascimento de Pixinguinha, artista do choro);
. o ‘Dia de São Jorge’; e
. o ‘Dia Nacional do Serralheiro’, comemoração criada em 1999 pelo departamento de marketing da empresa brasileira e maior produtora de aços longos do Brasil, Gerdau, para incentivar o “Programa Profissional do Aço”, pelo Brasil, aproveitando como gancho o ‘Dia de São Jorge’ que, segundo a lenda, sempre tinha consigo armas e espadas de metal, produtos que então normalmente eram feitos pelos antigos ferreiros e/ou serralheiros desde épocas imemoriais.

Eleições no Paraguai
Ontem mais de 4,5 milhões de paraguaios foram às urnas escolher seu presidente. O candidato do governo, primeiro colocado nas pesquisas de intenção de voto – Mario Abdo Benitez, 46 anos, empresário – foi para as eleições com mais de 20 pontos percentuais à frente de seu principal concorrente, Efraín Alegre.
Três detalhes a respeito das eleições no país vizinho: (i) não foram utilizadas urnas eletrônicas e as cédulas de votação foram impressas em dois idiomas: espanhol e guarani; (ii) não há reeleição no Paraguai; e (iii) não é permitida uma segunda candidatura para eleições majoritárias – como nos Estados Unidos, por exemplo.

Renovação em risco
Levantamento realizado pelo jornal O Estado de São Paulo informa que ‘quase 90% da Câmara dos Deputados buscam um novo mandato na próxima eleição. Os partidos representados na Casa projetam um índice recorde de candidatos à reeleição. Dos 513 deputados federais, 447 pretendem estender a permanência no Congresso por mais quatro anos’.
Esta é mais uma evidência clara da necessidade da participação das pessoas no funcionamento dos partidos. Sem essa participação, a renovação dos candidatos é impossível. Os velhos candidatos, caso se reelejam, não estarão a serviço de seus eleitores. Estarão a serviço de interesses pessoais e dos agentes econômicos que ajudaram a financiar suas campanhas.

 

Renovação em risco (2)
É um mito imaginar que a renovação se dá no momento das eleições; a renovação mais que urgente e necessária está na escolha prévia, dentro dos partidos, de quem poderá ser candidato. Em 2018, o risco de termos mais do mesmo é enorme, haja vista a intenção manifestada pelos 447 deputados federais de se reeleger. E na falta de uma opção nova, o eleitor se vê obrigado a votar no candidato que julga ser o menos ruim: ‘se não tem tu, vai tu mesmo’.

Sincericídio?
“Marina Silva, da Rede, precisa de um vice com experiência gerencial caso queira que seu projeto se torne realidade”.
A frase é do professor Eduardo Giannetti, mais que assessor da presidenciável. Conforme analisado pelo espetacular Stephen Kanitz, o ‘fogo amigo’ de Giannetti talvez liquide as chances da candidata, uma vez que reconhece a incapacidade gerencial dela.
Vamos combinar: há quem tenha talento e habilidade para ser oposição e há quem tenha talento e habilidade para ser gestor, certo? Impossível deter ambas virtudes, por antagônicas que são.

Viva a segunda-feira, leitor! Tenha uma excelente semana!
Boa jornada, ok?
Sorte e saúde sempre a todos!

Share

GDIA